Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Segundo Capítulo: ESBANJADOR

Agora sô turista. Nunca ninguém no mundo passeô tanto quanto eu. Já tenho meu aviãozinho, como, bebo e me lambuzo.
Dô esporro em gente que estudô e humilho o ministro que quizé. Brinco de governante, finjo que sô pobre e gasto sem me preocupá. Não sei escrevê, mas sei falá e tapeá.
Meu negócio é viajar, me divertir e GASTAR.
Como é bom sê prezidente!

Conceder o cargo de Presidente da República ao Luís Inácio foi o mesmo que entregar a chave de uma loja de brinquedos a um menino pobre que nunca teve sequer um carrinho.... de mão. É mera comparação, pois o nosso 'dirigente' da nação conheceu pobreza apenas quando criancinha. Logo cedo se tornou sindicalista e parou de trabalhar. Muito antes de ser presidente Luís Inácio já aproveitava um padrão de vida bem superior à realidade nacional. Este é mais um dos contrastes na disforme personalidade de Luís Inácio, que se mostra humilde e preocupado com o dinheiro público quando está diante do povo, enquanto sua verdadeira face é a de um sujeito soberbo e arrogante que adora gastar.
Mas vamos deixar os comentários pessoais de lado.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Raposas famintas cuidarão das uvas

O Congresso pretende substituir o TSE no controle das urnas. Ou seja, será o mesmo que deixar uvas aos cuidados de raposas famintas. Deputados e senadores, os principais interessados nos votos de eleitores mal informados, pretendem criar, por lei, uma tal de “Comissão de Automação Eleitoral do Congresso Nacional”. Assim, colocarão, no próprio bolso, o controle das urnas eletrônicas, que é, por enquanto, responsabilidade do TSE. Como essa corja sempre consegue transformar seus interesses em lei, por mais imoral que seja, veremos nossos votos sob os 'cuidados' dos parlamentares. Segundo eles, o excesso de poderes do TSE provoca falta perigosa de transparência nas eleições e, sob o pretexto indecoroso de resolver este suposto problema, os assaltantes políticos pretendem se apoderar das regras do processo eleitoral eletrônico.
A partir do pretexto apresentado por dessa gentalha, podemos, então, concluir que os votos que os elegeram são totalmente discutíveis.
Deputados criadores da brilhante idéia, que certamente será aprovada por seus outros comparsas :
- deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL)
dep.mauricioquintellalessa@camara.gov.br - deputado Geraldo Magela (PT-DF). dep.magela@camara.gov.br - deputado Severiano Alves (PDT-BA). dep.severianoalves@camara.gov.br Informação : Josias de Souza (UOL)