Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Lamina, o laboratório entorpecido


A coisa tomou tal vulto, que em todos os setores estamos totalmente desprotegidos.  É como se funcionasse assim:  ele está acostumado a "levar ferro" sem reclamar, mais um não vai fazer diferença nenhuma.

 
Mas é aí que alguns se enganam... e quem acaba "levando ferro" são eles.  Que não seja por prejuízo, ao menos pela surpresa.

 
Lamina Medicina Diagnóstica - Há mais de uma semana, na quinta-feira passada, meu marido precisou fazer um exame, cujo resultado deveria sair com urgência, por recomendação do próprio médico.  No dia do exame, ficou determinado que este sairia urgentemente em apenas 3  (TRES) dias, quando seria enviado para nossa casa.

 
Ontem, como ainda não havia chegado a  tal urgência urgentíssima, telefonei para lá.  Depois de várias ligações sem resultado, pois sempre apresentava sinal de ocupado, enfim consegui.  Após explicar por tres vezes, pois um sempre encaminhava para outro, após longo interrogatório, fiquei sabendo que o nefasto exame só nos chegaria num prazo de 24 horas, ou seja, mais um dia.

Hoje, após aguardar as mais prometidas 24 horas (já em atraso, embora fosse urgente) tornei a telefonar.  Entrar em contato com alguém foi mais fácil, mas em compensação... me informaram que o exame ainda seria enviado, chegando no prazo de MAIS 48 horas.  Seriam mais dois dias, O DOBRO DO TEMPO ATRASADO E PROMETIDO!  Apavorada disse, então, que iria lá buscar.  Supresa!  Não poderia mais buscá-lo pois já estaria sabe-se lá onde pronto para ser enviado.. embora não tivesse sido.

Resultado: caso tenha pressa, jamais faça exame nenhum no Laboratório LAMINA, pois não cuidam da saúde dos outros como cuidariam da saúde de sua própria mãe. 


 

Beto Crítica, A Revolução dos Bichos e o PT

O blog do Beto Crítica diz ironicamente que gostaria de entender como um governo como o atual,  com tantos problemas (corrupção, educação, saúde, etc.) ainda tem sua presidente com nível tão absurdamente alto de aceitação, o que - por uma questão de lógica - não poderia acontecer.   (http://betocritica.blogspot.com.br)
A 'dúvida' do Beto Critica, teria dois motivos: ou a apreciação poderia ser 'encomendada', como se tornou hábito atualmente, ou o problema estaria na ignorância dos adoradores alucinados de seu partido.  Isso nos reporta à irresistível comparação entre A Revolução dos Bichos e o PT (http://falsamente-revolucionarios.blogspot.com.br/).                     



O livro de George Orwell teria sido escrito, inicialmente, para evidenciar a injustiça entre os donos e os escravos. Mas pode ser visto, também, de outra forma: os revolucionários que reagem contra o poder e acabam se tornando exatamente igual àqueles contra quem lutavam, enquanto seus próprios 'companheiros' se tornam seus escravos. 


 
Os trechos escritos em letras vermelhas são justamente as  evidências comparativas entre a história narrada no livro e a realidade do partido falsamente defensor do povo.  Poderiamos dizer, sem dúuvida alguma, que L.I. é o Napoleão da história, enquanto  o PT é o partido criado por Napoleão que  saiu em defesa dos bichos. 



Alguns trechos que estão em vermelho no blog:
Todos os homens são inimigos, todos os animais são camaradas. ...  lembrai-vos sempre do vosso dever de inimizade para com o Homem.  (homens seriam os militares ou os empresários?)

Os discípulos mais fiéis eram os dois cavalos de tração, Sansão e Quitéria. Ambos tinham enorme dificuldade em pensar qualquer coisa por si próprios todavia, aceitando os porcos como professores, absorviam tudo quanto lhes era dito e passavam adiante para os outros animais, por simples repetição.

... planejavam o trabalho da semana seguinte e discutiam as resoluções. Estas eram sempre apresentadas pelos porcos. Os outros animais aprenderam a votar, mas nunca conseguiram imaginar uma resolução por conta própria.

Os bichos tinham como certo que as frutas deveriam ser distribuídas eqüitativamente; certo dia, porém, chegou a ordem para que todas as frutas caídas fossem recolhidas e levadas ao depósito das ferramentas, para consumo dos porcosAlguns bichos murmuraram a respeito, mas foi inútil. Os porcos estavam todos de acordo sobre esse ponto. Nosso único objetivo ao ingerir essas coisas é preservar nossa saúde. O leite e a maçã (está provado pela Ciência, camaradas) contêm substâncias absolutamente necessárias à saúde dos porcos. Nós, os porcos, somos trabalhadores intelectuais. A organização e a direção desta granja repousam sobre nós. Dia e noite velamos por vosso bem-estar. É por vossa causa que bebemos aquele leite e comemos aquelas maçãs.

com toda certeza, não há dentre vós quem queira a volta de Jones. Maneira que os porcos  usavam como uma forma de ameaça.     

Ora, se algo havia sobre o que todos animais estavam de acordo, era o fato de nenhum desejar volta de Jones. Quando o assunto lhes foi posto sob essa luz, não tiveram mais o que dizer. A importância de manter a boa saúde dos porcos tornou-se óbvia.


Napoleão não criava projetos próprios, mas dizia com toda calma que os de Bola-de-Neve dariam em nada... até o dia em que se aoderou das idéias do outro como se fossem suas E TODOS ACREDITARAM.


os porcos, de repente, mudaram-se para a casa-grande, onde fixaram residência. Novamente os bichos julgaram lembrar-se de que havia uma resolução contra isso, aprovada nos primeiros dias, e novamente Garganta conseguiu convencê-los do contrário. Era absolutamente necessário que os porcos, disse ele, sendo os cérebros da granja, tivessem um lugar calmo onde trabalhar. Além disso, viver numa casa era mais adequado à dignidade do Líder (nos últimos tempos dera para referir-se a Napoleão pelo título de "Líder") do que viver numa simples pocilga.

A comparação entre os fatos narrados no livro A Revolução dos Bichos com o PT foi feita em diversos blogs, o que só descobri depois. Foi um tremendo alívio perceber que nas comparações feitas havia o óbvio percebido por diversas outras pessoas.

A Revolução dos Bichos e o PT




Com quem os eleitores mais se identificam?


Antes de eles saírem (você também, é claro)
para votar nas próximas eleições, pergunte 
COM QUEM O LAMENTÁVEL ELEITOR MAIS SE PARECE?
QUAL DELES SERÁ O SEU REPRESENTANTE NAQUELA CASA DE QUENGAS?

Serão os  "anormais"?


Os mais 'bizarros'?

Se vêem representados pela gagueira
aliada ao pouco conhecimento?


 
Ou já se conformaram em ser palhaços?
- Até porque se não fossem não compareceriam nas próximas eleições -



Ou, então, são esses ladrões indecorosos
que os representam?


Ou aceitam serem representadas por
uma gente que, além de desonesta, é estúpida?


Nas próximas eleições,
escolham sua verdadeira face e
votem no candidato que os representa.

Ou, então, não vá às urnas, pois já está provado que seu voto não vale nada, pois as urnas eletrônicas são uma
F A R S A
















Nascido no Facebook, o movimento Queremos Ética na Política agendou para esta tarde a chamada Missão Ampulheta. Ela consistia na entrega de um manifesto com 22 mil assinaturas para Ricardo Lewandowski. Nas páginas, o pedido é de celeridade no julgamento do Mensalão.


Com tudo marcado para a entrega, os representantes do movimento deram com a cara na porta do STF. Foram avisados que, devido ao julgamento das cotas raciais, Lewandowski não poderia mais atendê-los.


Ou seja, quem quer pressa no Mensalão,
vai ter que esperar um pouquinho mais.


Por Lauro Jardim



Adaptação

 







Ressignificô, morô?

MAIS ESSA !

Ao ler aquele  ""Edital de Vivencia no Assentamen​to do MST "",  enviado mui gentilmente(?) pelo Pt Zona Norte  (página anterior), dei de cara com um neologismo:  ressignificar

 
Este é um projeto piloto apoiado pelo Laboratório de Extensão Universitária da Escola de Artes Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo que objetiva realizar projetos de extensão e oficinas com os assentados da região citada, a fim de construir e ressignificar conhecimentos de forma dialógica e mútua entre graduandos e assentados.  
 
 
A verdadeira intenção deles seria alterar o significado ?

Dizem as más línguas que "ressignificar"  é uma palavra amplamente usada no meio intelectual brasileiro.  Como não sou intectual nem pertenço ao MST, desconhecia esse termo, talvez conhecido por vocês.


Vejam, por exemplo, a explicação  de um tal de opoeta20..., a uma pessoa que perguntou se inventar a  palavra  "ressingnificar"  seria correto : 

 
Olha meu... tô ligado na tua morô! Em verdade vos digo que tú é cabeça cara! Tú pegou o x da questão e elevou à nonacentésima potência e ainda exponencializou a ******** um pouco mais ainda. Mas se vc disser que ressignificar tá errado, eu sugiro que vc reprocure repensar esta retórica retrocessual retinizada em sua reestrutura ortogramatical.
Ressignificar é o maior lance aí ô mané... Falei?

Pois é, não sei ainda como fazer, mas preciso repensar esta retórica retrocessual retinizada em sua reestrutura ortogramatical, porque ressignificar é o maior lance, viu ô mané?





Ser injusto com uns para ser bom com outros.


Serem injustos com uns
para se fingirem de bonzinhos com outros
é a uma forma de defesa dos direitos humanos
FALSA e INDECENTE

NÃO DEIXEM DE VER OS VÍDEOS E DIVULGAR

Os vídeos abaixo já estão em outra página, mas servem para evidenciar nas mãos de quem estamos. (abril de 2012 / Democracia amestrada - filme PARALELOS TRÁGICOS - http://puteiro-nacional.blogspot.com.br/2012/04/era-bonitinho-nao-e-mais.html) .


No final desta página, após os vídeos, temos o Edital de Vivencia no Assentamen​to do MST,  que me foi enviado não sei por que cargas d'água, mas se adapta ao assunto.

O que acontece com os outros, hoje, pode acontecer com qualquer um de nós, amanhã. Para o nosso próprio bem, é preciso alterar a atual situação. Seja do jeito que for.




 
Edital de Vivencia no Assentamen​to do MST 
Pt Zona Norte - 02:16 (6 horas atrás)
para bcc: mim 
 


Aberto o Edital de Vivencia no Assentamento do MST em Apiaí. Inscrições até dia 02/05. Ótima oportunidade para formação e construção de conhecimentos de forma dialógica e mútua entre graduandos e assentados. Divulguem nas listas de emails.   Adiante extensionistas!
                                                               .
ps: O Edital em pdf com ficha de inscrição foi enviado para o email da each.

Extensionistas?  Que diabo será isso?
Petistas fazem homenagem aos extensionistas rurais e à Justiça do Trabalho
-  Extensionistas recebem homenagem em sessão solene na Aleac   (o artigo fala em PROVOCAÇÃO)
-  Petistas fazem homenagem aos extensionistas rurais e à Justiça do Trabalho   (O deputado Bohn Gass (PT-RS) registrou em plenário a passagem do Dia Nacional da Extensão Rural, 6 de dezembro "O extensionista rural leva consigo o compromisso de fazer do seu trabalho um instrumento para a construção de um futuro com mais justiça social. A ele cabe despertar as potencialidades da agricultura familiar, repensar modelos de desenvolvimento, concepções e práticas de extensão rural, respeitando sempre as especificidades de cada comunidade atendida. Então, muito obrigado aos extensionistas do Brasil", disse.

No dia 6 de dezembro é o dia da invasão da fazenda alheia, criado em 2008.


DEPREDAÇÃO E VAGABUNDAGEM NAS FOTOS ACIMA



quarta-feira, 25 de abril de 2012

Aula para os falsos lideres


Líder não mandaEle encaminha, orienta e fica atento a todo o momento  ele vive o sucesso.


No vídeo abaixo, vemos a menina de 13 anos, que ganhou um prêmio e foi cantar o Star Spangled Banner, hino dos EUA, no jogo da NBA.  Eram vinte mil pessoas no estádio, ela afinadinha...  e sozinha.  iante daquela multidão, seu braço tremeu, ela engasgou, e e esqueceu a letra...


Então, o público  ameaça uma VAIA.  Nisso, surge Mo Cheeks, técnico dos Portland Trail Blazers. Aparece ao seu lado e começa a cantar, incentivando-a e trazendo o público junto.


Mostra como uma atitude de LIDERANÇA e SOLIDARIEDADE, NA HORA CERTA, pode fazer uma grande diferença, para ajudarmos um ser humano e mudar a história do JOGO da vida.


UNS NASCEM PARA AJUDAR...
OUTROS PARA VAIAR.

Da mesma forma existem os que nascem para ajudar,
mas apenas aparentemente. 
Ao invés de ajudar, usam o papel de bom moço
para se aproveitar da necessidade dos outros.


video




Se você for o 'sujeito da oração'...


... você irá às urnas na próxima eleição e provará que não passa de UM POBRE ZÉ MANÉ.

(excelente artigo abaixo)

 

As urnas eletrônicas já "escolheram" os eleitos. 
 Não faça papel de imbecil.
Se acha que é exagero, veja o vídeo abaixo.
F R A U D E !!!

 F R A U D E   F R A U D E   F R A U D E
F R A U D E   F R A U D E   F R  U D  E


O PT institucionalizou o desprezo ostensivo por valores morais e códigos éticos

MAURO PEREIRA

Uma das maiores contribuições do PT nesses mais de nove anos de implantação do lulopetismo, indubitavelmente, foi a institucionalização do desprezo ostensivo por valores morais e códigos éticos, patrocinando um dos governos mais corruptos de nossa história. Sob a luz da honestidade, supera com folga os governos que o antecederam desde a redemocratização do Brasil, iniciada em 1986. Os petistas foram além da expectativa, não só reabilitando figuras consagradas no submundo da política mas, também, introduzindo nomes novos nesse ambiente árido e putrefato.


Em menos de uma década, juntando as administrações de Lula e Dilma Rousseff, o PT conseguiu um feito sem precedentes: consolidar-se como celeiro inesgotável de ministros, altos funcionários, senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores envolvidos em escândalos de corrupção. Em todas as esferas da administração pública, de norte a sul do país, há evidências dos vínculos que unem os agentes políticos do PT e seus aliados à roubalheira desenfreada e à malversação do dinheiro público. A bem da verdade, é necessário ressalvar que, embora esporadicamente, representantes da oposição também embarcaram no trem petista.


Nesse acervo de desacertos, destaca-se também a vulgarização das instituições. Amparado na arrogância, o PT instalou-se confortavelmente no vácuo do oportunismo eleitoreiro e pairou acima da lei, asilando nesse espaço corrompido a marginália política e a pelegada sindical. A partir dali, promoveu uma das mais sórdidas investidas contra os Poderes constituídos. No Executivo, por exemplo, desmoralizou m dos símbolos mais caros ao orgulho nacional, transformando a Presidência da República em subseção partidária e prolongamento vulgar de um palanque a serviço de seus interesses eleitorais. Rebaixou um dos panteões sagrados à abominável condição de instrumento da disseminação do ódio e da intolerância.


O Legislativo, tomado como refém por uma malta de políticos inescrupulosos resultante da pior safra de parlamentares da história republicana, sempre se mostrou descaradamente receptivo às propostas indecentes emanadas das hostes petistas. Respeitando-se as minguadas exceções, no decorrer das administrações de Lula e Dilma deputados federais e senadores protagonizaram o mais melancólico espetáculo da mediocridade e da bandalheira.


Testemunhando desde pedidos de resgate para continuar na base de apoio do governo até a nomeação para a presidência de Comissão de Justiça da Câmara de um deputado que responde na Justiça a processo por formação de quadrilha, o país assistiu à transformação do Congresso em motivo de vergonha nacional. A ofensiva petista tampouco poupou o Judiciário. Ocupou-se de instalar na Suprema Corte ministros que, de alguma forma, tiveram algum tipo de relacionamento com o partido, estendendo sobre o mais alto tribunal da nação o manto da suspeição.


A legalidade das nomeações é inquestionável, mas colide com o princípio da moralidade. Por mais que as decisões sejam pautadas de acordo com os ditames impostos pela legalidade, matérias envolvendo o governo federal e sua base aliada sempre esbarrarão na credibilidade. É triste ver ministros do STF se conduzirem como fofoqueiras paroquiais, tornando públicas querelas internas que não deveriam jamais extrapolar as fronteiras da toga.


Outra manobra igualmente destituída de moralidade foi a indecente campanha deflagrada pelo governo federal que, às custas de alguns bilhões de reais que poderiam ir para a saúde e a educação, conseguiu a mágica de concentrar o maior estoque de mentiras por milímetro filmado. Ao longo desse período, nenhuma peça da propaganda oficial se preocupou em prestar contas à sociedade do que foi feito com os recursos obtidos com impostos escorchantes. Todas, sem exceção, tiveram o objetivo essencial de promover o governo e, obviamente, seus agentes políticos.


Montanhas de dinheiro público se esvaíram pelos ralos insaciáveis dos interesses escusos. Ainda assim, o que restou dessa encenação forjada na mentira foi a realidade crua, que permite a contemplação de um governo fraco, incompetente, perdulário e corrupto.



TENHA RESPEITO POR SI PRÓPRIO. NÃO COMPAREÇA À PROXIMA ELEIÇÃO.
Mais perto da data será colocado aqui o melhor meio para justificar
sua falta mais do que justa, merecida.




ALERTA TOTAL e a Comissão da Verdade (unilateral)


O site ALERTA TOTAL faz  Reflexões sobre política e militares.

Na página http://www.alertatotal.net/2012/04/reflexoes-sobre-politica-e-militares.html, além do vídeo Comissão da Verdade Não Apura Crimes da Guerrilha - Saiba o que é Justiçamentopodemos ler sobre a  Lei da Anistia, a Comissão da Verdade (que de tão unilateral já se tornou a Comissão da Mentira) e um artigo de Dora Kramer sob o título  "Por quem Serra cedeu" (O Estado de S.Paulo).


Segundo Dora Kramer, em seu artigo...

"Os grupos de militares da reserva que reclamaram da falta de censura por parte da presidente Dilma Rousseff às críticas de suas ministras ao governo autoritário queriam o quê? Pelo visto, interditar o direito à livre manifestação, num surto saudosista. Foram obrigados a recuar, chamados à realidade de que estão fora do jogo político desde a volta ao País à legalidade com o fim do regime de exceção.

Podemos, então,  perguntar a mesma coisa à jornalista:  os ex-terroristras, que se auto-denominam  'ex-guerrilheiros',  queriam o quê?  Pelo visto, pretendiam pisar em cima dos militares, tomar o poder de suas mãos para se impor e, em troca, ganhar um buquê de flores.  Mantendo as devidas proporções, é a mesmíssima coisa!

Temos aí uma Dora Kramer fazendo o mesmo papel feito por Mirian Leitão: escrever de "acordo com o esperado", de acordo com o modismo criado durante anos contra os militares.  No entanto, no caso das duas repórteres, não sendo por ignorância, só pode ser por covardia, submissão ou algo parecidamente aviltante.

video

Ao menos em uma coisa Dora Kremer tem toda razão:
"interditar o direito à livre manifestação seria surto saudosista"

-
AINDA BEM QUE TEMOS TODO O
DIREITO DE MANIFESTAR O QUE PENSAMOS


 

terça-feira, 24 de abril de 2012

AFANA PRO NOBIS

O PT e a Igreja Universal.


Artigo escrito por  Marco Elizio de Paiva, Mestre em História da Arte pela "University of Texas", ex-diretor da Escola de Belas Artes da UFMG e atual coordenador do curso de pós-graduação em História da Arte da PUC-Minas.)

O PT não inventou a corrupção, ele apenas a banalizou em níveis justificáveis aos olhos da plateia cativa. Esta plateia, hipnotizada pelo sonho da igualdade prometida por Lula, se apega na esperança de ganhar sem trabalhar. Ganhar sem trabalhar sempre foi a bandeira usada pela esquerda para manter cativa a massa alienada.
 

O petismo é a Igreja Universal da política, assim como a Universal é o petismo da religião. Lula e Edir Macedo são iguais até na falta absoluta de limites. A Terra Prometida por ambos são apenas discursos diante de uma massa de cativos. Os discursos da esperança petista e da esperança universal do Reino de Deus é uma invenção poderosa que consegue desculpar os crimes do presente dominado por eles e nos roubar o futuro que teríamos. Tudo o que eles prometem não existe e só faz bem a eles.


As armas com que lutam Lula e Edir Macedo foram conquistadas a partir dos projetos de tomada do poder, nunca de projetos de políticas públicas. O objetivo do PT é o mesmo da Igreja Universal do Reino de Deus; Criar seguidores fieis que se sentem felizes com o poder de seus líderes.

Os militares, para defenderem a manutenção do passado, deram um golpe com tanques. Lula, para defender a escravização do presente, deu um golpe com urnas. Edir Macedo, para defender o futuro, deu um golpe com a Bíblia.


Jamais serei grato a Lula ou a Edir Macedo por eles cobrarem tão caro por aquilo a que temos direito de graça.


Lula é um gênio do domínio das massas. Conseguiu até que a oposição seja sua base de apoio, embora o preço cobrado para isso seja altíssimo. Lula é um prestidigitador eficiente. Conseguiu transformar a política em um jogo sem regras definidas. Em sua política, qualquer conveniência passa a ser uma nova regra do jogo. Até a Igreja Católica passou a ser base de apoio do PT. A Igreja Católica agora dorme com o inimigo. Deixou de ser esposa de Cristo para ser concubina da esquerda.

 
Lula conseguiu imitar a Igreja Católica em poder ideológico. A Igreja Católica é um enorme armário de celibatários sacerdotais, Brasília foi transformada em um enorme refúgio de malfeitores impunes. Tanto em uma, quanto em outra, a impunidade conta com a indulgência que só pensa na permanência do sistema e sua rede de benesses. Criminalizar um padre pedófilo é tão difícil quanto condenar um político corrupto.

Até os jornalistas mais oposicionistas já minimizam a corrupção com seus adjetivos simplistas. Propina corrupta ou roubo de dinheiro público virou  mensalão. O mensalão é crime sofrível. É até bonitinho.

Petistas são como evangelizadores das novas seitas cristãs. Estão em todos os lugares e aparelham até apostila de ensino médio. Todas as instituições estão infestadas por seu trabalho fanático. Eles estão transformando o povo em laranjas. O povo é laranja do PT. Quanto mais pobre mais suco rende.

O delírio do PT é controlar o povo. O delírio de Lula é controlar pessoas.

Eu não acredito no povo. O "povo" é uma ideologia totalitária petista.
Eu acredito em pessoas que não se deixam dominar impunemente.

Devemos ter muito medo do futuro. Foi com as elites intelectuais rendidas a um partido interessado apenas em projetos de poder como este que o nazi-fascismo triunfou na Europa. Hitler, Mussolini, Stalin...

Qualquer semelhança não é mera coincidência!

PARABÉNS AO Marco Elizio de Paiva PELO ARTIGO


Dinheiro, pr'á que te quero?



De acordo com informações do Banco Central, neste primeiro trimestre,  os gastos dos brasileiros no exterior bateram record, o que representaria um crescimento de 13,2%, se comparados com o mesmo período do ano passado.

Mesmo com um gasto recordista, em março os brasileiros tiveram variação negativa em relação a março do ano anterior. Provavelmente mais por necessidade do que conscientização.


Segundo o BC, a redução nos gastos teria, como culpado, o câmbio que se tornou um tantinho desfavorável a viagens internacionais e, além disso, o Carnaval que caiu no mês de fevereiro neste ano.  Um abuso deste carnaval, que se atreveu a cair justamente em fevereiro!


Enquanto isso, os turistas 'de fora' gastaram aqui menos do que antes, fazendo com que as transações do Brasil com o exterior ficassem negativas.  É até fácil compreender que eles tivessem gasto menos, afinal dinheiro não dá em árvore, ainda mais numa época em que o mundo inteiro precisa economizar  (menos no nosso país).


JOÃO DOMINGOS - Agencia Estado
25 de novembro de 2008
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse aos ministros, na reunião realizada ontem na Granja do Torto, que a ordem é "não haver investimento não realizado" e que eles devem "gastar tudo o que há de verba para o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)."


Como são vistos os militares lá e cá...


"...É graças aos soldados, e não aos sacerdotes, que podemos ter a religião que desejamos. É graças aos soldados, e não aos jornalistas, que temos liberdade de imprensa. É graças aos soldados, e não aos poetas, que podemos falar em público. É graças aos soldados, e não aos professores, que existe liberdade de ensino. É graças aos soldados, e não aos advogados, que existe o direito a um julgamento justo. É graças aos soldados, e não aos políticos, que podemos votar..."

Palavras de BARACK OBAMA, presidente dos EUA, no MEMORIAL DAY.  Bem de acordo com o artigo de Olavo de Carvalho  'OS MILITARES E A MEMÓRIA NACIONAL'  (página Patriotismo, muito prazer... Olavo de Carvalho -  http://puteiro-nacional.blogspot.com.br/2012/04/patriotismo-muito-prazer-olavo-de.html)
 
 
 

CHICO ALENCAR, AS MENTIRAS E AS URNAS


Revoltado com Jair Bolsonaro, Chico Alencar diz
"Eu não tenho esse tipo de vínculo"

Imagine se tivesse !
Dizem os que virem o vídeo abaixo).


VOCÊ DARIA SEU VOTO
A CANDIDATOS MENTIROSOS?


Caso responda que não, é mais um motivo para guardar seu título eleitoral no fundo da gaveta, e justificar seu não comparecimento às urnas nas próximas eleições


No dia da próxima eleição, justifique sua falta.
NÃO FAÇA PAPEL DE OTÁRIO




Bumerangue

 

Um assessor de Palocci  (também envolvido em pilantragens)
teria dito na CPI que Cachoeira financiou campanha de L.I..

Mentor da CPI do Cachoeira (CPI que só saiu graças à pressão que ele mesmo fez sobre líderes governistas no Congresso), L.I. pode se tornar um dos alvos do bicheiro... Desta vez, a CPI que L.I. tanto incentivou teria um efeito bumerangue (caso a Justiça consiga se impor).

Em sua coluna Claudio Humberto já havia feito o seguinte comentário (em 17/abril) :  "o advogado Rogério Buratti, amigo do ex-ministro Antonio Palocci, afirmou em depoimento à CPI dos Bingos, em 2005, que em parceria com "empresários dos jogos" do Rio e de São Paulo, o bicheiro Carlos Cachoeira teria dado R$ 1 milhão de caixa dois para campanha de Lula em 2002."
Alguém viu resultado nisso que foi dito nos longínquos 2005?  Ah, sei.  Estava aguardando uma CPI!

-
"O assunto foi retomado neste domingo pelas jornalistas Andreza Matais e Andréia Sadi, da Folha de S. Paulo. Diz o texto da CPI dos Bingos:  "Rogério Tadeu Buratti afirmou de maneira firme e clara que o senhor Waldomiro Diniz, representando José Dirceu, arrecadou dinheiro de 'bingueiros' no Estado do Rio de Janeiro, e ainda da Gtech e do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e que o valor arrecadado por Waldomiro seria algo em torno de R$ 1 milhão." "


"No total, segundo o relatório, "empresas de jogos" irrigaram "a campanha do presidente Lula e o PT" com R$ 2 milhões de reais.  "Os recursos transitaram pelo comitê financeiro da campanha." Buratti foi secretário do ex-ministro Antonio Palocci na prefeitura de Ribeirão Preto (SP). Waldomiro Diniz, citado por ele, era braço direito do então ministro José Dirceu, que coordenou a campanha de Lula em 2002. "


"Quando com ferro feres, com ferro serás ferido."
Bem que deveria ser verdade!


segunda-feira, 23 de abril de 2012

Patriotismo, muito prazer... Olavo de Carvalho


OS MILITARES E A MEMÓRIA NACIONAL 


Como todos os meninos da escola na minha época, eu não podia cantar o Hino Nacional ou prestar um juramento à bandeira sem sentir que estava participando de uma pantomima.

A gente ria às escondidas, fazia piadas, compunha paródias escabrosas.

Os símbolos do patriotismo, para nós, eram o supra-sumo da babaquice, só igualado, de longe, pelos ritos da Igreja Católica, também abundantemente ridicularizados e parodiados entre a molecada, não raro com a cumplicidade dos pais.


Os professores nos repreendiam em público, mas, em segredo, participavam da gozação geral.

Cresci, entrei no jornalismo e no Partido COMUNISTA, frequentei rodas de intelectuais.
Fui parar longe da atmosfera da minha infância, mas, nesse ponto, o ambiente não mudou em nada: o desprezo, a chacota dos símbolos nacionais eram idênticos entre a gente letrada e a turminha do bairro. Na verdade, eram até piores, porque vinham reforçados pelo prestígio de atitudes cultas e esclarecidas.

 
Graciliano Ramos, o grande Graciliano Ramos, glória do Partidão, não escrevera que o Hino era "uma estupidez"?

 
Mais tarde, quando conheci os EUA, levei um choque. Tudo aquilo que para nós era uma palhaçada hipócrita os americanos levavam infinitamente a sério.

 
Eles eram sinceramente patriotas, tinham um autêntico sentimento de pertinência, de uma raiz histórica que se prolongava nos frutos do presente, e viam os símbolos nacionais não como um convencionalismo oficial, mas como uma expressão materializada desse sentimento. E não imaginem que isso tivesse algo a ver com riqueza e bem-estar social.

 
Mesmo pobres e discriminados se sentiam profundamente americanos, orgulhosamente americanos, e, em vez de ter raiva da pátria porque ela os tratava mal, consideravam que os seus problemas eram causados apenas por maus políticos que traíam os ideais americanos.

Correspondi-me durante anos com uma moça negra de Birmingham, Alabama. Ali não era bem o lugar para uma moça negra se sentir muito à vontade, não é mesmo? Mas se vocês vissem com que afeição, com que entusiasmo ela falava do seu país! E não só do seu país: também da sua igreja, da sua Bíblia, do seu Jesus.

 
Em nenhum momento a lembrança do racismo parecia macular em nada a imagem que ela tinha da sua pátria. A América não tinha culpa de nada. A América era grande, bela, generosa.

 
A maldade de uns quantos não podia afetar isso em nada. Ouvi-la falar de matava de vergonha.Se alguém no Brasil dissesse essas coisas, seria exposto imediatamente ao ridículo, expelido do ambiente como um idiota-mor ou condenado como reacionário um integralista, um fascista.

 
Só dois grupos, neste país, falavam do Brasil no tom afetuoso e confiante com que os americanos falavam da América.

 
O primeiro era o dos imigrantes: russos, húngaros, poloneses, judeus, alemães, romenos. Tinham escapado ao terror e à miséria de uma das grandes tiranias do século (alguns, das duas), e proclamavam, sem sombra de fingimento: "Este é um país abençoado!"

 
Ouvindo-nos falar mal da nossa terra, protestavam: "Vocês são doidos. Não sabem o que têm nas mãos".

 
Eles tinham visto coisas que nós não imaginávamos, eles viam a vida humana numa outra escala, para nós aparentemente inacessível.

 
Falávamos de miséria, eles respondiam: "Vocês não sabem o que é miséria".
Falávamos de ditadura, eles riam: "Vocês não sabem o que é ditadura".
No começo isso me ofendia. "Eles acham que sabem tudo", dizia com meus botões.

Foi preciso que eu estudasse muito, vivesse muito, viajasse muito, para entender que tinha razão, mais razão do que então eu poderia imaginar.A partir do momento em que entendi isso, tornei-me tão esquisito, para meus conterrâneos como um estoniano ou húngaro, com sua fala embrulhada e seu inexplicável entusiasmo pelo Brasil, eram então esquisitos para mim.

 
Digo, por exemplo, que um país onde um mendigo pode comer diariamente um frango assado por dois dólares é um país abençoado, e as pessoas querem me bater.Não imaginam o que possa ter sido sonhar com um frango na Rússia, na Alemanha, na Polônia, e alimentar-se de frangos oníricos.Elas acreditam que em Cuba os frangos dão em árvores e são propriedade pública.

 
Aqueles velhos imigrantes tinham razão: o brasileiro está fora do mundo, tem uma medida errada da realidade.

O outro grupo onde encontrei um patriotismo autêntico foi aquele que, sem conhece-lo, sem saber nada sobre ele exceto o que ouvia de seus inimigos, mais temi e abominei durante duas décadas: os militares.

 
Caí no meio deles por mero acaso, por ocasião de um serviço editorial que prestava para a Odebrecht que me pôs temporariamente de editor de texto de um volumoso tratado O Exército na História do Brasil.

 
A primeira coisa que me impressionou entre os militares foi sua preocupação sincera, quase obsessiva, com os destinos do Brasil. Eles discutiam os problemas brasileiros como quem tivesse em mãos a responsabilidade pessoal de resolvê-los.

 
Quem os ouvisse sem saber que eram militares teriam a impressão de estar diante de candidatos em plena campanha eleitoral, lutando por seus programas de governo e esperando subir nas pesquisas junto com a aprovação pública de suas propostas.

Quando me ocorreu que nenhum daqueles homens tinha outra expectativa ou possibilidade de ascensão social senão as promoções que automaticamente lhes viriam no quadro de carreira, no cume das quais nada mais os esperava senão a metade de um salário de jornalista médio percebi que seu interesse pelas questões nacionais era totalmente independente da busca de qualquer vantagem pessoal.

Eles simplesmente eram patriotas, tinham o amor ao território, ao passado histórico, à identidade cultural, ao patrimônio do país, e consideravam que era do seu dever lutar por essas coisas, mesmo seguros de que nada ganhariam com isso senão antipatias e gozações.

 
Do mesmo modo, viam os símbolos nacionais - o hino, a bandeira, as armas da República - como condensações materiais dos valores que defendiam e do sentido de vida que tinham escolhido. Eles eram, enfim, "americanos" na sua maneira de amar a pátria sem inibições. Procurando explicar as razões desse fenômeno, o próprio texto no qual vinha trabalhando me forneceu uma pista.


O Brasil nascera como entendida histórica na Batalha dos Guararapes, expandira-se e consolidara sua unidade territorial ao sabor de campanhas militares e alcançara pela primeira vez, um sentimento de unidade autoconsciente por ocasião da Guerra do Paraguai, uma onda de entusiasmo patriótico hoje dificilmente imaginável.

Ora, que é o amor à pátria, quando autêntico e não convencional, senão a recordação de uma epopeia vivida em comum? Na sociedade civil, a memória dos feitos históricos perdera-se, dissolvida sob o impacto de revoluções e golpes de Estado, das modernizações desaculturantes, das modas avassaladoras, da imigração, das revoluções psicológicas introduzidas pela mídia.

 
Só os militares, por força da continuidade imutável das suas instituições e do seu modo de existência, haviam conservado a memória viva da construção nacional.

O que para os outros eram datas e nomes em livros didáticos de uma chatice sem par, para eles era a sua própria história, a herança de lutas, sofrimentos e vitórias compartilhadas, o terreno de onde brotava o sentido de suas vidas.

 
O sentimento de "Brasil", que para os outros era uma excitação epidérmica somente renovada por ocasião do carnaval ou de jogos de futebol (e já houve até quem pretendesse construir sobre essa base lúdica um grotesco simulacro de identidade nacional), era para eles o alimento diário, a consciência permanentemente renovada dos elos entre passado, presente e futuro.

 
Só os militares eram patriotas porque só os militares tinham consciência da história da pátria como sua história pessoal. Daí também outra diferença.

 
A sociedade civil, desconjuntada e atomizada, é anormalmente vulnerável a mutações psicológicas que induzidas do Exterior ou forçadas por grupos de ambiciosos intelectuais ativistas apagam do dia para a noite a memória dos acontecimentos históricos e falseiam por completo a sua imagem do passado.

 
De uma geração para outra, os registros desaparecem, o rosto dos personagens é alterado, o sentido todo do conjunto se perde para ser substituído, do dia para a noite, pela fantasia inventada que se adapte melhor aos novos padrões de verossimilhança impostos pela repetição de slogans e frases-feitas. Toda a diferença entre o que se lê hoje na mídia sobre o regime militar e os fatos revelados no site de Ternuma vem disso.

Até o começo da década de 80, nenhum brasileiro, por mais esquerdista que fosse, ignorava que havia uma revolução comunista em curso, que essa revolução sempre tivera respaldo estratégico e financeiro de Cuba e da URSS, que ele havia atravessado maus bocados em 1964 e tentara se rearticular mediante as guerrilhas, sendo novamente derrotada.

Mesmo o mais hipócrita dos comunistas, discursando em favor da "democracia", sabia perfeitamente a nuance discretamente subentendida nessa palavra, isto é, sabia que não lutava por democracia nenhuma, mas pelo comunismo cubano e soviético, segundo as diretrizes da Conferência Tricontinental de Havana. Passada uma geração tudo isso se apagou.

A juventude, hoje, acredita piamente que não havia revolução comunista nenhuma, que o governo João Goulart era apenas um governo normal eleito constitucionalmente, que os terroristas da década de 70 eram patriotas brasileiros lutando pela liberdade e pela democracia.

No Brasil, a multidão não tem memória própria.

Sua vida é muito descontínua, cortada por súbitas mutações modernizadoras, não compensadas por nenhum daqueles fatores de continuidade que preservava a identidade histórica do meio militar.

Não há cultura doméstica, tradições nacionais, símbolos de continuidade familiar. A memória coletiva está inteiramente a mercê de duas forças estranhas: a mídia e o sistema nacional de ensino. Quem dominar esses dois canais mudará o passado, falseará o presente e colocará o povo no rumo de um futuro fictício.
Por isso o site de Ternuma é algo mais que a reconstituição de detalhes omitidos pela mídia. É uma contribuição preciosa à reconquista da verdadeira perspectiva histórica de conjunto, roubada da memória brasileira por manipuladores maquiavélicos, oportunistas levianos e tagarelas sem consciência.

Perguntam-me se essa contribuição vem dos militares?

Bem, de quem mais poderia vir?

 Olavo de Carvalho
 - Filósofo e Cientista Político -