Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


sábado, 9 de junho de 2012

UNE e PT, PT e UNE. Eu sô tu, tu sô eu...

Por Reinaldo de Azevedo





Unidos pela defesa da Pátria
... BLÁ-BLÁ-BLÁ...


Neste artigo Reinaldo Azevedo faz um retrospecto da lamentável UNE. É quando se evidencia a indecente semelhança entre o que não presta para nada e o que nada presta.
É só clicar no endereço abaixo para desnudar essa UNE que ainda aparece, para uns bobocas, cercada de livros "estudantis" e diplomas embaixo  do braço.





" Hoje, cada estudante universitário brasileiro já poderia valer um voto. Seria possível escolher o (a) presidente da UNE em eleições diretas votando pelo celular. Mas quê… A vanguarda do retrocesso não admite essas modernidades, não! Ela não pode correr o risco de perder a boquinha.

Reitero, leitor: está a fim de falar com idealistas? Use a lanterna para tentar achar um liberal. Comunista gosta é de dinheiro."  -  Por Reinaldo Azevedo

A casa que começa a desabar

 

Ridiculamente chamado de "lulinha",  o filho do ex-presidente foi condenado numa ação movida por ele mesmo contra a revista Veja.  O provável motivo para um sujeito assim se acreditar capaz de mover ação contra uma revista que simplesmente informa o que ocorre seria a arrogância de quem pensa que se tornou o máximo quando, na verdade, nunca deixou  de ser um reles sujeito.


"Tu sabi com quem tu tá falano, mermão?"  
Ação movida pelo filho de L.I.contra a revista Veja, pedindo indenização por danos morais pela matéria publicada, a respeito do seu enriquecimento milagroso. E também sobre a frase dita pelo ex-presidente "Meu filho é o Ronaldo dos negócios".


Decisão da Juíza de Direito Auxiliar  da sentença na ação movida por Lullinha contra a Revista Veja (Luciana Novakoski Ferreira Alves de Oliveira). Abaixo, trecho de sua sentença:

“...O autor (Lulinha) precisa compreender que é de interesse de toda a população brasileira saber como o filho do Presidente da República obteve tamanha ascensão coincidente ao mandato de seu pai. E há de concordar que uma imprensa livre para investigar tais fatos é fator essencial para que vivamos num Estado Democrático de Direito, ideal outrora defendido por tantos que, agora, ao que se vê, parecem se incomodar com ele.” 

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Mensalão - você tem alguma duvida?


As dúvidas do mensalão

Antes mesmo de começar, o julgamento do mensalão já suscita crises políticas e polêmicas jurídicas.   Se, como tudo indica, ele começar a partir do dia 1 de agosto, uma quarta-feira, ou no dia 6, uma segunda-feira, estaremos às vésperas do início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV — no dia 21 de agosto.  Propaganda antecipada que L.I., em desrespeito a todas as leis, já vem fazendo desde a época de Dilma, passou por Haddad num programa de ratos, e chegou ao Eduardo Paes.

E provavelmente o julgamento estará chegando ao final perto do dia da eleição para prefeitos e vereadores, 7 de outubro, daí a preocupação de L.I..

Isso quer dizer que, com todo o atraso já verificado, principalmente devido ao fato de que o ministro Ricardo Lewandowski ainda não entregou seu voto de revisor, os eventuais efeitos políticos do julgamento não serão evitados.

Lula e seus seguidores não estão seguros de qual será o resultado e gostariam que fosse anunciado somente depois que as urnas tivessem sido fechadas.  Até parece que desconhecem a justiça cambeta de nosso país aliada à ignorância popular!

Mas, se ao contrário do que teme o PT, os mensaleiros forem absolvidos, esse certamente será um mote da propaganda petista com bastante apelo eleitoral. Só falta essa para desmerecer, de vez, a justiça brasileira!  Poderíamos até sugerir que o povo é que julgasse a bandidagem política.  Além de fazer coisa decente  (seguindo  o óbvio, ao invés de seguir falsas leis protecionistas), sairia bem mais barato.  Em casos, como esse, lógicamente, que fechassem logo esses tribunais de bunda suja).  Antes de continuar, responda rápido (para os seus botões): se você fosse um meliante, elaboraria qualquer lei que atrapalhasse suas patifarias ? 

Dependendo das penas que eventualmente receberem, 22 dos 38 réus do mensalão — entre eles o ex-ministro José Dirceu — poderão terminar o julgamento com a prescrição do crime de formação de quadrilha, o que equivale a uma absolvição.

De acordo com especialistas, especificamente para o crime de quadrilha, a prescrição se dá em oito anos, mas só se o máximo da pena for superior a dois anos (a pena máxima para esse tipo de crime é de três anos).
A prescrição pode vir a ocorrer em quatro anos se os réus, ao final do processo, forem condenados a menos de dois anos no crime de formação de quadrilha.

Como o recebimento da denúncia foi em 28 de agosto de 2007, ela já teria ocorrido no ano passado. A interpretação mais acatada é que o prazo para a prescrição do crime de formação de quadrilha é contado a partir do recebimento do processo no STF.

 
Outra interpretação, embora menos provável de ser adotada, é de que o momento em que cessou a associação teria acontecido em 2005, quando o então deputado Roberto Jefferson denunciou a existência do mensalão.

Se a condenação for superior a dois anos, a prescrição ocorrerá em 2015. E, mesmo na interpretação menos provável, a prescrição seria em agosto de 2013.

 
Com o calendário fixado em três dias da semana dedicados na parte da tarde ao mensalão — segundas, quartas e quintas —, o julgamento deverá entrar por setembro, o que fará com que o ministro Cezar Pelusotenha que se aposentar antes de seu final.

 
Se a proposta do presidente Ayres Britto, de fazer sessões diárias para julgar o processo, pela manhã e à tarde, tivesse vingado, esse contratempo seria evitado.

 
Será preciso saber se o ministro Peluso apresentará seu voto antes de se aposentar, no início de setembro. Caso não o faça, o julgamento poderá continuar com os dez juízes restantes, sem que seja necessário substituí-lo.

Pode ser, no entanto, que a maioria considere imprescindível que o plenário esteja completo para que o julgamento continue, e, nesse caso, será preciso esperar a decisão da presidente Dilma sobre o novo ministro para retomar o julgamento.

 
O novo ministro, por sua vez, poderá pedir vista do processo para se inteirar dele a fim de proferir seu voto, o que garantirá que o julgamento entre por 2013.

A maioria do Supremo não quer dar ao julgamento do mensalão um caráter excepcional e por isso não aceitou cortar o recesso de julho para ganhar tempo, e da mesma maneira deve entender que o julgamento pode prosseguir sem a necessidade de um novo ministro ser indicado.

O número par pode provocar novamente situações constrangedoras como os empates acontecidos em alguns casos, mas há também a possibilidade de que o ministro Dias Toffoli se considere impedido de participar do julgamento por já ter sido advogado do PT.
Nesse caso, o julgamento entrará por setembro com nove ministros no plenário do STF. A pressão do ex-presidente Lula para adiar o julgamento a fim de que o anúncio do resultado não coincida com as eleições municipais, cujo primeiro turno é no dia 7 de outubro, também ajudou a que esse detalhe político fosse considerado irrelevante pela maioria do Supremo, que procura dar ao julgamento o ar de normalidade.

 
Alguns mensaleiros estão interessados diretamente no atraso do julgamento também para poderem concorrer às eleições municipais, como o deputado João Paulo Cunha, que pretende se candidatar a prefeito de Osasco.

 
Se for condenado no processo do mensalão, ficará impedido de concorrer, enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que proíbe a candidatura de políticos condenados por colegiado.

 
Ele já conseguiu uma vantagem, pois o registro da candidatura precisa ser feito até o dia 5 de julho e é concedido de acordo com a situação do político naquela data.

Mas, ainda assim, Cunha correrá riscos, pois há interpretações de que, condenado no processo do mensalão, ele não poderá tomar posse mesmo se eleito.  Se o povo brasileiro tivesse ao menos um minimo de inteligência, mesmo não tendo um mínimo de instrução, a lei do mensalão nem seria tão necessária, pois todos esses vermes, Paulo Cunha inclusive, nem seriam votados, com ou sem essas urnas falsas

Tudo indica que a Assembleia-Geral da OEA em Cochabamba não aprovará a proposta do Equador, que é apoiada por diversos outros países “bolivarianos” como Bolívia e Nicarágua, de reduzir a autonomia da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

 
Apesar do discurso agressivo do presidente equatoriano, Rafael Correa, ontem, acusando a CIDH de ser dominada por ONGs e grupos econômicos ligados aos interesses dos Estados Unidos, o movimento para contê-la não tem a simpatia da maioria dos países, e a comissão continuará cumprindo seu papel de advertir contra os abusos dos direitos humanos e a falta de liberdade de expressão.

Como não deve haver uma disputa acirrada, o governo brasileiro ficará dispensado de explicitar sua posição, que tendia para o apoio aos países “bolivarianos”.

 
Merval Pereira
Fonte: O Globo, 05/06/2012







quinta-feira, 7 de junho de 2012

Se tucano é amigo, prefiro inimigo


Ao menos eles têm vida, embora seja uma vida bandida.






Como diz o titulo, se tucanos tão insípidos e inoperantes são amigos, é bem melhor ter inimigos.   Ao menos eles gritam, pulam, falam bobagem, usam a potencialidade da mentira que cospem nos ouvidos dos imbecis. Aqueles inimigos que, mesmo estando à beira da morte têm mais vida, tapeiam o povo enquanto debocham deles, que os aplaudem sem perceber que não significam 'coisa alguma'.   E ainda pisoteiam em cima desses Tribunais Eleitorais que servem apenas para nos cobrar votos em urnas falsas.

 ... ""é o primeiro túnel dos pobres'",
disse o  quase morto que pula em cima das leis do TRE,
mais morto do que ele.. e sem precisar de câncer para ser enterrado)


VOLTO AMANHÃ

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Tortura pela vida inteira


OS VÍDEOS ABAIXO DEVEM SER COMENTADOS INSISTENTEMENTE PARA NOS LEMBRAR O CASO DE LOVEQUIO, QUE TEVE SUA PERNA DILACERADA POR UMA BOMBA ATIRADA PELO PESSOAL DO GRUPO VAR-PALMARES. 


ESTA, SIM, É A MAIOR TORTURA QUE SE PODE PROVOCAR A UM SER HUMANO:
FAZÊ-LO PASSAR TODA A SUA VIDA SEM A PERNA. 
UMA TORTURA QUE SE MANTÉM DURANTE TODA A VIDA DE UM INDÍVÍDUO
QUE NEM TINHA INTERESSES POLÍTICOS.


ALGUNS TERRORISTAS-GUERRILHEIROS
TAMBÉM FORAM TORTURADORES

ENGANO NO VÍDEO AO DIZER QUE DULCE MAIA E DILMA ERAM AS MESMAS PESSOAS






É só uma formiguinha!




Até pouco tempo, muitos receavam criticar e enfrentar L.I. pelo risco de serem antipatizados por toda a sociedade.  Ninguém se atreveria a ir contra (mesmo que fosse) o pai dos desvalidos, que os alçou à condição de classe C, seja lá qual for o significado disso para ELES  e eles.  Falar mal de L.I. seria o mesmo que dizer "eu sou um homem mau como o pica-pau".

O tempo foi passando, 
o segundo mandato  de  L.I. expirou, 
seu corpo deteriorou 
e seu reinado foi acabando...
embora ele e alguns de seus súditos ainda não tenham percebido.
As coisas mudaram... 

Agora, ao contrário de outros tempos, "Enfrentar Lula passou a render dividendos políticos", segundo este artigo,  indicado no grupo TENHO NOJO DE LULA no Facebook, por Carmen Tassi .     (http://www.brasil247.com/pt/247/poder/63181/Enfrentar-Lula-rende-dividendos-pol%C3%ADticos.htm

O atual prefeito do Recife, João da Costa,  depois que decidiu enfrentar a direção do PT, que quer cassar seu direito à reeleição, ganhou votos.  Já em São Paulo, Marta Suplicy vem sendo elogiada por não se curvar às decisões do ex-presidente.    É justamente assim que começa!!!


De acordo com uma entrevista, João da Costa, teria se transformado numa espécie de herói da classe média pernambucana, depois que decidiu enfrentar o poder da direção nacional do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O colunista Ricardo Noblat, que é pernambucano, já havia dito que Recife é uma cidade rebelde, que não gosta que decidam por ela

Como aconteceu:  o PT, partido  que se considera o dono da nação, resolveu impedir a reeleição de João da Costa, desafeto de Eduardo Campos, para facilitar a união com o PSB em prol da candidatura de Haddad, o ex-ministro kit-gay de L.I.,  em São Paulo.
 
CONCHAVO É CONCHAVO, mas...  

A estratégia do PT acabou dando errado.  Nas prévias pela direção do partido, João da Costa derrotou o candidato apoiado pelo L.I. que saiu das cinzas .

O PT teria grandes chances de vencer as eleições em São Paulo e em Recife.  Porém, com Marta e João da Costa , o trabalho de quem sempre se achou o dono da situação, trabalho será muito maior.

 
Que paulistas e pernambucanos
contem com o nosso respeito.



terça-feira, 5 de junho de 2012

Para quem gosta de 'tragédia' ...

Escrito por Temer Jorge no grupo do Facebook TENHO NOJO DE LULA.
O blog do Beto, na pág. http://betocritica.blogspot.com.br/2012/06/o-que-apavora-o-lulla-no-julgamento-de.html, também trata desta tragédia que atinge principalmente os brasileiros que aguardam o término do caso do mensalão.

 
O QUE APAVORA LULA NO JULGAMENTO DO MENSALÃO NÃO É A CONDENAÇÃO DOS SEUS CÚMPLICES.


Um olhar mais atento para o Código de Processo Penal me faz crer que, mesmo existindo o julgamento do Mensalão, e mesmo que todos sejam condenados, vai nos ficar a sensação impunidade e de frustração 

O lula sabe que negar a existência do mensalão é uma tarefa muito mais complicada de se conseguir do que a condenação dos canalhas nele envolvidos, dada a quantidade de provas da sua existência entranhadas no processo, mas esse fato ligará lula ao crime, isso poderá ser o inicio do desmonte de um ídolo escupido pela corrupção no lodo mais sujo e fedorento que a política já conheceu, independente da condenação ou não dos julgados.


Se Cesar Peluzo, Ayres Brito e Joaquim Barbosa estiverem fora desse julgamento, e em seus lugares estiverem juízes descaradamente comprometidos com o lulo-petismo como são levandowski, tóffoli e luis fu(c)ks essa possibilidade será enorme ....
 

Digo isso porque os crimes imputados aos lulo-petistas e mensaleiros envolvidos, muito embora nos cause indignação, têm suas penas máximas previstas muito brandas, e quase todas, senão todas, são passiveis de se tornarem "penas alternativas", como serviços comunitários ou pagamento de cestas básicas, fato que eles não desconhecem. 


O que está apavorando ao lula é a possibilidade do reconhecimento por parte do STF da EXISTÊNCIA DO MENSALÃO, pois, o fulcro da defesa de todos eles é a negação da existência dele, porém, se a existência for admitida, vai colocar na pauta um outro processo, e deste ele é PARTE, que é o da "LISTA DE FURNAS".


Quando o escândalo do Mensalão estava na sua fase mais aguda, um grupo de petistas contratou um estelionatário para elaborar uma lista de executivos da estatal FURNAS, ligados ao PSDB, que supostamente estariam envolvidos em casos de corrupção.


(Relembre a história lendo a Reportagem de VEJA sobre o assunto)
Acontece que a farsa foi desmontada, e, além das gravações feitas pela PF em que o falsário declara que a sua obra se destinava a afastar o lula das acusações, existe a confissão dele no processo, porém, como no caso do mensalão, a defesa argumentou que, "se o mensalão nunca existiu, porque fazer uma lista dessas ... e é isso que faz com que esse processo esteja em "segredo de justiça".

 

E É ESSE O VERDADEIRO MOTIVO PARA LULA ESTAR TÃO EMPENHADO EM POSTERGAR ESSE JULGAMENTO.


ATENÇÃO! ESTE VÍDEO É UMA ESPÉCIE DE RECADO AOS MENSALEIROS ,
PORTANTO, TEM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO.
SE, MESMO AVISADO, RESOLVER OUVIR, NÃO RECLAME.
ATÉ PORQUE É UM RECADO PARA 'ELES', NÃO PARA VOCÊS
 
 


CPI - Confirmação da Putaria Impune


Em seu artigo  "O futuro de nossa desilusão", Arnaldo Jabor fala sobre  a esquerda e a direita do atraso que se unem contra a verdade  (sub-título: Esquerda e direita do atraso se unem em contra a verdade). 

Como em tudo podemos ver tanto o lado mau quanto o lado bom, dependendo de sermos pessimistas ou otimistas, ele fala sobre a aprendizagem ou desaprendizagem que podemos tirar de nossas decepções, como cidadãos.  

É bom lembrar que todos os problemas que aparecem pela nossa frente devem ser vistos como um desafio. Na base do  "se posso resolver, resolvo; se não tem conserto, o jogo no fundo do baú, não penso mais nele e ele que se dane, não eu!"
 
 
Em seu artigo, Jabor comenta as últimas  decepções dos brasileiros:

Anos 60, a crença numa revolução mágica do 'povo', com a ajuda dos militares.

Anos 70, decepção com a guerrilha suicida, dito por ele, pois a chamaria de terrorismo assassino.

Anos 80, teriam sido as dificuldades da restauração democrática.  Que, já vimos, não passou de um conto da Carochinha, muito mal contado, por sinal, pois em nosso país nada é feito de acordo com a nossa vontade e as normas mais decentes, mas de acordo com os interesses escusos e as vontades de nossos reles representantes políticos.

Nos anos 90, foi a desilusão de muitos com o Collor e o seu impeachment .  Aliás, me decepciono mais comigo mesma do que com aquela imitação mambembe de hitler, por ter aderido àquela palhaçada arquitetada e pendurado uma faixa preta na varanda.  Se tudo não passasse de interesses escusos,  onde estariam os CARA PINTADAS, enrugadas pelo tempo, que vêem (ou participam)  tanta patifaria sem nem ao menos chegar perto da janela?

'FHC foi um parêntesis em nossa tradição presidencial, mas ele e nós nos desiludimos porque achávamos que a racionalidade seria bem recebida. Não foi.'

De 2002 em diante, "" foram substituídas "AS NORMAS neoliberais", pela truculência dos pelegos'.  ... os petistas nunca acreditaram na "democracia burguesa"; como disse um intelectual da USP - "democracia é papo para enrolar o povo".  Não entenderam com suas doenças infantis que a democracia não é um meio, mas um fim em si mesmo; ou melhor, até entendem, mas não a querem.  ... construíram... um novo patrimonialismo de Estado, com a desculpa de que "em vez de burgueses mamando na viúva, nós, do povo, nela mamaremos".    E tudo isso em nome do raciocínio deslumbrado de Lula, lutando por si mesmo:  ... com o narcisismo do Lula, voltou o formato do Brasil que o Plano Real e FHC tentaram interromper. Com suas alianças com a direita feudal, Lula revigorou o pior problema do País: o patrimonialismo endêmico.''"

Ao citar  a chamada CPI do Cachoeira - que já se tornou uma verdadeira Confirmação da Putaria Impune como todas as outras  - Jabor comenta sobre o ex-presidente, "no exercício de seu cinismo egoísta e ambicioso, pensando apenas em sua imagem no futuro. (MESMO QUE SEJA UMA IMAGEM IMBERBE E PAPUDA).

Diz, ainda, o cronista, que  "Somos filhos bastardos de um progresso que não planejamos". Que não fomos nós  que planejamos, é verdade, mas quem sabe NÃO FOI MAU E PROPOSITALMENTE PLANEJADO?
O artigo completo está no BLOG DO MURILO - PERCA TEMPO 

"'Que falta desaprender agora, para chegarmos ao futuro de uma desilusão?"
Arnaldo Jabor.  Porém, para melhorar nosso futuro, que as novas trapaças nos façam aprender ainda mais sobre a indecente política nacional.  E provar que aprendemos quando nenhum de nós comparecer às falsas urnas nas próximas eleições.  (como prometido na  semana das eleições colocarei aqui todos os endereços disponíveis para que possamos justificar nossa falta, já nesse nosso país democrático é obrigatório votar, mesmo sabendo que nosso voto não será respeitado e não terá signficado algum.



 

Revolta de um lado; e interesse de outro?



"Me senti no dever do cumprimento da cidadania",
diz  médica que desabafou por ajuda em hospital.



O vídeo no endereço abaixo é mais completo que o outro que vem em seguida.  Porém, na entrevista da médica, em sua casa, houve um trecho que chama muito nossa atenção  ""Me senti no dever do cumprimento da cidadania.""   Não foi "cumprimento da cidadania", coisa nenhuma.  Ela estava, isso sim, de saco cheio de ver tanta passando mal e morrendo, tendo apenas ela para atender.


Após se mostrar revoltada, com toda razão, pela situação de uma única médica para atender dezenas de pacientes em estado grave e emergencial, vem outra etapa em que ela já se mostra uma possível candidata a qualquer cargo eletivo.  Espero que isso não ocorra para não mostrar que não acabou se aproveitando de uma revolta verdadeira para atirar vantagens no futuro.












segunda-feira, 4 de junho de 2012

Lula, uma criação coletiva - Dora Kramer


Lula... Uma criação coletiva.
Dora Kramer - O Estado de S.Paulo



Não, o ex-presidente Lula não perdeu o juízo como sugere em princípio o relato da pressão explícita sobre ministros do Supremo Tribunal Federal para influir no julgamento do mensalão, em particular da conversa com o ministro Gilmar Mendes eivada de impropriedades por parte de todas as partes.


Lula não está fora de si. Está, isto sim, cada vez mais senhor de si.Investido no figurino do personagem autorizado a desrespeitar tudo e todos no cumprimento de suas vontades.


E por que o faz? Porque sente que pode. E pode mesmo porque deixam que faça. A exacerbação desse rude atrevimento é fruto de criação coletiva e não surgiu da noite para o dia.


A obra vem sendo construída gradativamente no terreno da permissividade geral onde se assentam fatores diversos e interesses múltiplos, cuja conjugação conferiu a Lula o diploma de inimputável no qual ele se encontra em pleno usufruto.


Nesse último e bastante assombroso caso, produto direto da condescendência institucional - para dizer de modo leve - de dois ex-presidentes da Corte guardiã da Constituição: o advogado Nelson Jobim, que convidou, e o ministro Gilmar Mendes, que aceitou ir ao encontro do ex-presidente.


Nenhum dos dois dispõe da prerrogativa da inocência. Podiam até não imaginar que Lula chegaria ao ponto da desfaçatez extrema de explicitar a intenção de influir no processo, aconselhando o tribunal a adiar o julgamento e ainda insinuar oferta de "proteção" ao ministro.


Inverossímil é que não desconfiassem da motivação do ex-presidente que anunciou disposição de se dedicar diuturnamente ao desmonte da "farsa do mensalão" e provou isso ao alimentar a criação de uma comissão parlamentar de inquérito no intuito de embaralhar as cartas e embananar o jogo.


Mas, apenas para raciocinar aceitemos o pressuposto da ingenuidade, compremos a versão do encontro entre amigos e consideremos natural tanto o convite quanto a anuência.


À primeira questão posta - "é inconveniente julgar esse processo agora" -, à primeira pergunta feita pelo ex-presidente - "não tem como adiar o julgamento?" -, se o ministro Gilmar Mendes tivesse agradecido ao convite e polidamente se retirado, não teria ouvido o que viria a seguir, segundo o relato que fez depois ao presidente do STF, ao procurador-geral da República e ao advogado-geral da União.


Narrativa esta que se pressupõe verdadeira. Se aceitarmos a versão do desmentido apresentada por Nelson Jobim teremos de aceitar a existência de um caluniador com assento no Supremo Tribunal Federal e de esperar contra ele algum tipo de interpelação.


Tivesse dado por encerrado o encontro logo de início, o ministro Gilmar Mendes não teria ficado "perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula".


Não teria ouvido alusões ao seu possível envolvimento com o esquema Cachoeira - razão da oferta de proteção na CPMI -, não teria escutado o ex-presidente chamar o ministro Joaquim Barbosa de "complexado".


Não teria testemunhado Lula desqualificar ao mesmo tempo o ex-ministro Sepúlveda Pertence e a ministra Cármen Lúcia ao sugerir a existência de uma cadeia de comando com a frase "vou falar para o Pertence cuidar dela".


É verdade que se tivesse ido embora o ministro Gilmar Mendes teria poupado a si um enorme constrangimento.


Mas não daria ao País a oportunidade de saber que o ex-presidente tem acesso a informações de um inquérito na data da conversa (26 de abril) ainda protegido por sigilo de Justiça.


Não saberíamos que Lula diz orientar a conduta do ministro Dias Toffoli - "eu falei que ele tem que participar do julgamento"- e que afirma acompanhar de perto os passos do ministro revisor do proc esso do mensalão, Ricardo Lewandowski - "ele só iria apresentar o relatório no semestre que vem".


Em suma, ninguém fica bem nessa história, mas Lula fica pior ao deixar que a soberba e o ressentimento o façam porta-voz do pior combate: a desqualificação das instituições. Entre elas o papel de ex-presidente da República.





Superior ou Inferior?





 
 Um homem Inteligent​e falando de mulheres

(Drauzio Varella)



O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários  seres e entre os mais ameaçados está a fêmea  da espécie humana. Tenho apenas um exemplar em casa, que mantenho com muito zelo e dedicação, mas na verdade acredito que é ela quem me mantém. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência,  lanço a campanha  'Salvem as Mulheres!'




Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da feminilidade a fim de que preservemos os raros e preciosos  exemplares que ainda restam:

Habitat: Mulher não pode ser mantida em cativeiro. Se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que as  prenda e as que se submetem à jaula perdem o seu DNA. Você jamais terá a posse de uma mulher,o que vai  prendê-la a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada  diariamente.

Alimentação correta: Ninguém vive de vento. Mulher vive de carinho..  Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro. Beijos matinais e um 'eu te amo' no café da manhã  as  mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia.  Um abraço diário é como a água para as samambaias. Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial.

Flores: Também fazem parte de seu cardápio - mulher que não recebe flores murcha rapidamente e adquire traços masculinos como  rispidez e brutalidade..


Respeite a natureza: Você não suporta TPM? Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação... Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso.

Não tolha a sua vaidade: É da mulher hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom, gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos, comprar sapatos,  ficar horas escolhendo roupas no shopping.

Cérebro feminino não é um mito: Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino. Por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo (e algumas realmente o aposentaram!).  Então, aguente mais essa: mulher sem cérebro não é mulher,  mas um mero objeto de decoração.


Se você se cansou de colecionar bibelôs, tente se  relacionar com uma mulher.  Algumas vão lhe mostrar que têm mais massa  cinzenta do que você. Não fuja dessas, aprenda com elas e cresça. E  não se preocupe, ao contrário do que ocorre com os homens, a inteligência não funciona como repelente para as mulheres.

Não faça sombra sobre ela: Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado,nunca atrás.  Assim, quando ela brilhar, você vai  pegar um bronzeado.  Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé-no-traseiro.

Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar.


O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando a si mesmo.
E meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, vire gay.

                   
Só tem mulher de verdade quem pode!



Ainda bem que nascei mulher,
se tivesse nascido homem certamente seria gay.





domingo, 3 de junho de 2012





Artigo censurado do Gen Beni - Lei do silêncio
Exército censura artigo de general sobre Comissão da Verdade



Um artigo publicado pelo Estado de São Paulo no sábado, assinado pelo general de Exército Rômulo Bini, pede o fim do silêncio pelos militares.



O texto do general Bini - que convoca os militares da reserva e até os chefes para suspenderem o silêncio que se impuseram, para questionarem a Comissão da Verdade, que chama de revanchista, e pede que reajam aos insultos que a categoria vem recebendo - desagradou ao comandante do Exército, general Enzo Peri.



Há preocupação de que um artigo de um oficial general como Bini, que sempre esteve longe de qualquer radicalismo, sirva de incentivo para outros oficiais, até mesmo da ativa, se manifestem, desencadeando um problema interno com várias vertentes, que começa com a Comissão da Verdade e passa, obrigatoriamente, pela insatisfação salarial, que é imensa.



Justamente para evitar a propagação das ideias do general Bini, o artigo dele não foi incluído na resenha do Exército, nem de sábado, nem de domingo, que chega a todas as unidades militares do País.

*

Lei do silêncio


Artigo Publicado no ESTADÃO do dia 19/05/2012



Romulo Bini Pereira



Em 1979, após muitos debates em amplos segmentos de nossa sociedade, a Lei da Anistia foi aprovada e promulgada no País.



Ela veio pôr um ponto final no ciclo de beligerância que se instalou na vida brasileira e criou um pacto de reciprocidade para a reconstrução democrática no Brasil.



Nestes anos de sua vigência, as Forças Armadas cumpriram um papel impecável. Voltaram-se para suas missões constitucionais, sem a mínima interferência no processo político que aqui se desenvolvia. Mantiveram-se em silêncio, acompanhando os fatos políticos, alguns bastante perturbadores, sem nenhuma atitude que pudesse ser analisada como intervenção no processo democrático.



Adotaram uma verdadeira lei do silêncio. Um ajuste entre seus chefes, em busca da concórdia e do entendimento.



No corrente ano, entretanto, dois fatos vieram de encontro à atitude das Forças Armadas. O primeiro foi a criação da Comissão da Verdade. De modo unânime, militares da ativa e da reserva consideraram tal comissão um passo efetivo para atos de revanchismo.



Os seus defensores - alguns deles membros da alta esfera governamental e do Poder Judiciário - já falam em rever a Lei da Anistia, mesmo após o Supremo Tribunal Federal ter confirmado a sua validade. (caso façam isso, darão mais uma prova de desrespeito ao Supremo que eles mesmos transformaram em INFERIOR TRIBUNAL FEDERAL)



No escopo de se obter a verdade, essa comissão, para ser imparcial, deveria estudar e analisar não só o ideário políticoideológico, mas também os métodos de atuação de quem optou pela luta armada em todo o mundo. Que pesquise os manuais das organizações internacionais para constatar a semelhança dos objetivos e métodos das inúmeras e variadas organizações nacionais, inclusive o Manual do Guerrilheiro Urbano, de Carlos Marighella, a cartilha do terrorismo brasileiro. Os diversos delitos cometidos - assassinatos, atentados, roubos e sequestros - também tiveram, tal como as citadas internacionais, um objetivo único, ou seja, a "derrubada do governo central e a instauração de uma ditadura do proletariado", e não uma democracia, como apregoam seus defensores. Com tal comissão só existirá uma verdade unilateral.



O segundo fato se refere aos incidentes ocorridos na sede do Clube Militar, no Rio de Janeiro, tão chocantes e tão esclarecedores para todos os militares. Chocantes porque velhos soldados, ilustres chefes, instrutores, professores e outros de carreira e vida exemplares foram insultados e agredidos por uma turba de radicais com atitudes e impropérios usados pelos grupos extremistas das décadas de 60 e 70. E esclarecedores porquanto demonstraram que o ódio ideológico e o fanatismo estão novamente presentes em nosso país. Tanto que disse um dos seus líderes: "Somos marxistas radicais". Seu ideário, seus métodos de atuação e seus ídolos são os mesmos das organizações extremistas do passado. Fazem uso até mesmo de ações de intimidação radicais, como o "escracho", de modo idêntico aos trotskistas e aos nazistas nas décadas de 20 e 30. Segundo seus integrantes, suas ações visam a defender a "honra" do nosso país perante a comunidade internacional. Definitivamente, não são aptos para tal defesa. A continuar dessa forma, a citada turba poderá vir a ser um celeiro para novos Araguaias.



Esses dois fatos atingiram frontalmente os objetivos da Lei da Anistia. A concórdia e o entendimento foram atitudes adotadas somente pelas Forças Armadas. Em oposição, um segmento sectário e minoritário demonstrou intransigência e intolerância totalitária para com os militares. Lei do silêncio: Versão Impressa - Opinião - Estadao.com.br http://m.estadao.com.br/noticias/impresso,lei-do--silencio-,871990.htm[19/05/2012 09:50:32]



Eles não assumiram seus atos e erros. Talvez para criar uma nova História, na qual seus integrantes sejam os grandes heróis. Talvez para justificar as ações de seus líderes no emprego de jovens em aventuras quixotescas de tomada do poder pela via armada, ou, então, a legitimação das 20 mil indenizações pagas por seus ideais revolucionários.



Não será possível mais aceitar que os "anos de chumbo", expressão de origem italiana tão decantada por esses segmentos minoritários, sejam debitados somente aos atos das nossas Forças Armadas. Na Itália não houve anistia e terroristas estiveram presos por muitos anos. O caso Cesare Battisti, de rumorosa repercussão mundial, exemplifica o desiderato do governo italiano em punir os que optaram pela luta armada. As organizações extremistas brasileiras estavam sossegadas na selva do Araguaia ou nos aparelhos urbanos, algumas nos conventos dominicanos. E assistiram a tudo pacificamente, com uma única exceção: as vítimas de sua autoria, algumas assassinadas barbaramente e outras justiçadas covardemente. Que regime teria sido imposto ao nosso país caso vingasse o ideário radical dessa minoria?



Neste contexto, a palavra dos chefes militares está se fazendo necessária e será um contraponto a possíveis atitudes e ações deletérias, como as agressões no Clube Militar. O que nós, militares, defendemos não é indisciplina ou qualquer conluio, nem quebra dos princípios democráticos. Uma palavra que não signifique um "mea culpa" ou um pedido de perdão. Estivemos, no período da guerra fria, em combate bipolarizado, no qual os extremistas foram banidos em todo o mundo em razão de seu objetivo totalitário e único: a ditadura do proletariado. Correremos riscos, mas eles são inerentes ao processo democrático e à nossa profissão.



Não se admite mais este silêncio reinante. Nas redes virtuais, pela simples leitura de manifestos e artigos oriundos da reserva de nossas Forças Singulares se percebe que estamos num ponto crítico. A nossa autoestima está em visível declínio, agravada por outros fatores, entre eles os baixos salários de nossos subordinados. Dissensões poderão surgir, pois a reserva expressa em muito pensamento dos soldados da ativa. Possíveis perturbações ou rupturas em nossas Forças trarão repercussões indesejáveis para o nosso país. Não é possível mais calar. A lei do silêncio deve ser quebrada!



Romulo Bini Pereira
GENERAL DE EXÉRCITO, FOI CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA DEFESA







Ser contra a Comissão da Verdade não muito verdadeira

É SER CONTRA QUALQUER COISA QUE SIGNIFIQUE

UM COMPORTAMENTO INDECENTEMENTE UNILATERAL

MAIS LEIS PROIBITIVAS



Dilma quer acabar com aluguel de horário na TV

03/06/2012-07h35




O governo federal prepara um pacote de medidas para fechar brechas da legislação de rádio e TV que permitiram o surgimento de um "mercado paralelo" ligado às concessões no país.  É uma governança que falsamente proibe tudo o que for errado, enquanto ao seu redor a patifaria não a abala moralmente, como se fosse natural ser um meliante.  Para  quem, como Dilma,  é  política de carteirinha desde a adolescência, quando participava do terrorismo no país, a roubalheira deve ser natural, mesmo. 


Não interessa quais são as boas intenções da presidente neste caso específico.  Politica/politicagem é como um cancro que destroi todos os valores morais de um indivíduo e, pior, sem que muitas vezes ele nem perceba. Ao menos é essa a idéia que nos passam ao fazerem papel de gente séria enquanto são capazes de roubar a própria mãe.
***


A ditadura que permitia e a democracia que proíbe - Opinião de um Paranaense  -  (Jornalista PAULO MARTINS - GAZETA DO PARANA) é um artigo tão interessante que não resisti à tentação e coloquei na página http://puteiro-nacional.blogspot.com.br/2012/05/ditadura-que-permitia-e-democracia-que.html


É PROIBIDO PROIBIR


 
No dia em que fizerem leis proibitivas que atinjam a sacanagem política,
aí, sim, terão condições de proibir alguma coisa.



Erraram os dois lados ...


 
... mas nada pior do que a CENSURA.

Reprodução/Free São PauloTranscrito, abaixo, o caso em  que apreenderam a revista que narra o envolvimento de petistas no caso do assassinato de Celso Daniel, fato já conhecido por muitos de nós.

No caso vemos dois erros: um deles é a distribuição  ''gratuita''  nas estações de Metrô e trens de São Paulo, empresas ligadas ao governo de São Paulo, sob gestão do PSDB .  Portanto, criticar o PT, embora conte a mais pura verdade, não é o correto, pois revista ligada a governo jamais será verdadeiramente gratuita.  O que vemos é um partido se valer do cargo ocupado 'por um dos seus' para atacar o partido de oposição.  É o uso do dinheiro público para disputa partidária, por mais verdadeiras que sejam as notícias. ESTÁ ERRADO, seja o partido que for.

Outro erro é do PT ao cometer o crime que sempre cometeu:  se aproveitar dos recursos partidários alcançados para censurar uma revista.  Ao invés de recolher as revistas, O QUE NÃO É CORRETO, deveria entrar com uma ação  'contra a revista'  e, principalmente, apresentar provas para desmenti-la.

ERRARAM OS DOIS LADOS, PORÉM,
NÃO EXISTE CRIME MAIS PERIGOSO DO QUE A CENSURA
Abaixo, artigo sobre o caso  

Revista distribuída em estações do Metrô e da CPTM ataca o PT; edição é apreendida em Mauá (SP)

Capa do número 32 da revista "Free São Paulo", com a reportagem "PT: Muito Além da Morte". A revista é distribuída gratuitamente em estações de Metrô e da CPTM e tem editado reportagens atacando o PT.

A revista semanal "Free São Paulo", de distribuição gratuita nas estações de Metrô e trens de São Paulo --empresas sob gestão do governo estadual paulista, governado pelo PSDB desde 1995-- traz na edição desta quinta-feira (31) reportagem sobre um suposto esquema de corrupção do PT que teria ligação com o assassinato de Celso Daniel, em 2002, quando ele era prefeito de Santo André (ABC).

A capa da publicação traz o símbolo do PT e a chamada "Muito além da morte".

A reportagem faz um apanhado do caso do assassinato de Daniel, em janeiro de 2002, e aponta o atual prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, como "o novo gerente do esquema" que "ainda funciona para garantir a permanência do Partido dos Trabalhadores no poder".

A reportagem traz também uma foto do pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, com a legenda "Em SP, Haddad não faz frente aos planos de Marinho".

Revistas apreendidas


Exemplares da revista foram apreendidos no centro de Mauá (Grande São Paulo), cidade administrada pelo PT, de acordo com o publisher (mania horrorosa de usar termos de outro idioma que não é o nosso, ao invés de adaptá-lo) da revista, Luciano Maciel.

Segundo ele, foram recolhidos 535 exemplares da publicação e ainda a Kombi que transportava o material, por volta das 12h30 de quinta (31). A equipe, composta por um motorista e mais quatro distribuidores, já tinha espalhado o restante dos 10 mil exemplares. No ABC, a revista é distribuída na porta de estações de trem e em outros pontos de muito movimento.

Ainda de acordo com Maciel, a abordagem foi feita por um tenente da PM (Polícia Militar) que disse estar "cumprindo ordens" e na delegacia teria havido intervenção pessoal do secretário de Segurança Pública de Mauá, Carlos Wilson Tomaz, e da Guarda Municipal.

Maciel disse que a revista não é ligada a nenhum partido ou político.  Imagine se fosse!

A Prefeitura de Mauá confirmou a apreensão e informou que a ação foi amparada em duas leis municipais (Leis municipais 2984/98 e 9484/02) que proíbem a distribuição de material gráfico em vias públicas sem a autorização da Prefeitura de Mauá. Se tal argumento fosse verdadeiro, essa revista não deveria ser  distribuída desde sua primeira edição.
Os secretários de Segurança Pública e Assuntos Jurídicos estiveram na delegacia, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, "para conhecerem o teor da ocorrência".

Histórico de críticas

A revista "Free São Paulo" tem histórico de reportagens políticas em que confronta o PT e o PSDB.

A edição número 25, do dia 12 de abril, traz como matéria de capa "O ano das comparações" afirmando que "analistas políticos asseguram que o tucano (Fernando Henrique), com menos recursos que Lula, fez muito mais para o País".

O editorial menciona a disputa "polarizada" entre PT e PSDB à Prefeitura de São Paulo. (na útima quinta-feira, L.I. esteve num programa televisivo dirigido ao povo menos esclarecido para fazer campanha política antecipada por Haddad, o ministro Kit-gay que estava presente)

A edição número 14, do dia 12 de janeiro da revista, traz uma capa sobre o "descontentamento por parte das instituições de ensino superior em relação à gestão do ministro Fernando Haddad" e pergunta, em editorial, “Como um desconhecido de maior parte dos paulistanos, sem nunca antes ter disputado uma eleição, pode conseguir desbancar nomes favoritos, de partidos como PSD, PSDB ou DEM, no comendo do Executivo paulistano?”  Perguntem às urnas eletrônicas!

Nota divulgada pelo Diretório Estadual do PT em São Paulo chama a matéria de "festival de calúnias e difamações" e diz que está tomando providências legais contra a revista.

"O Partido dos Trabalhadores rechaça todas as tentativas de utilizar um episódio que ainda hoje nos entristece para atacar a nossa história e tentar tirar proveitos eleitorais", diz ainda a nota.

A assessoria de imprensa do pré-candidato Fernando Haddad disse que não vai comentar a edição da revista.  Comportamento característico:  sempre que algum político é acusado mas não tem provas  que desmintam as acusações,  faz uma carinha de triste e diz que não vai comentar. Mudem o disco e aprendam  uns novos macetes.