Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


sábado, 13 de abril de 2013

O passado condena

 
 
 
 
CAÇANDO OS TERRORISTA​S DA ANTI-REVOL​UÇÃO COMUNISTA
- VITÓRIA DO POVO BRASILEIRO EM 31 DE MARÇO DE 1964 -

O preço dos alimentos e os irmãos petralha

 
 

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Graça Foster, para uso futuro

 
Há um tempo atrás, um  de nossos jornalistas  comentou sobre o comportamento de Graça Foster,  presidente da Petrobrás.  Logo no início, andaram fazendo algumas brincadeirinhas por causa de sua aparência, não muito adorada por aqueles que confundem o cargo que ela ocupa com o cargo ocupado por modelos e misses, por exemplo, como se estas fossem tão importantes quanto ela é.
 
O artigo abaixo merece ser guardado com todo carinho para ser lido e usado futuramente, principalmente em período eleitoral.
 
"A Presidente Graça Foster da Petrobras meteu a toga do Ministro Joaquim Barbosa e está botando pra quebrar.... Estilo Graça Foster pode gerar rebelião na Petrobras, ou no PT inteiro.

A nova presidente da Petrobras decidiu comprar uma briga daquelas, em véspera de ano eleitoral. Ela quer cancelar todos os contratos de patrocínio da estatal e já provoca uma gritaria entre políticos da base aliada.

Dias atrás, a presidente da Petrobras, Graça Foster, fez uma conferência com investidores e foi de uma sinceridade atroz. Reduziu de 3,1 milhões para 2,5 milhões barris/dia a meta de produção da empresa para 2016. “Os números não eram realistas.”
  (ela teria dito "os números não eram realistas.”, quando poderia ter dito que os números eram MENTIROSOS OU TAPEADORES, mas já seria exigir muito).
Além disso, cancelou projetos de várias refinarias e manteve apenas a Abreu e Lima, em Pernambuco, que custará nove vezes mais do que o previstoo orçamento foi de R$ 4,75 bilhões para R$ 42 bilhões. Graça já havia demarcado seu território, ao demitir diretores que haviam sido indicados politicamente, inclusive pelo próprio PT. Vamos imaginar que 'eles' estivessem administrando apenas uma empresa e não um país como o nosso.  Nenhum administrador seria capaz de cometer um erro tão grande, sob o risco de levar sua empresa à falência.

Agora, ela decidiu comprar uma nova briga, segundo informa a coluna do jornalista Ilimar Franco, no jornal O Globo, na nota “Fim da farra”:

- A presidente da Petrobras, Graça Foster, decidiu segurar e rever todos os patrocínios concedidos pela empresa. Sua posição atinge eventos, congressos, publicações, filmes, projetos culturais e conferências setoriais e temáticas promovidas pelo governo federal e que tinham patrocínio da estatal. Os marqueteiros petistas estão em polvorosa e, atônitos e irritados, perguntam: "Quem essa Graça Foster pensa que é? A Dilma da Dilma?"
  É hora de perguntarmos:  E eles?  Quem, pensam que são?  Será que não sabem que um dia seu tempo vai terminar?
Graça tem o respaldo da presidente Dilma Rousseff, mas seu estilo tem gerado críticas no PT. Seu antecessor, José Sergio Gabrielli, é amigo pessoal do presidente L---.

Além disso,
ao criticar as “metas irreais (?)” da era Gabrielli, *ela também critica, indiretamente, a era L---. A conferência de Graça Foster com investidores ensejou o artigo “O custo L---”, publicado pelo jornalista Carlos Alberto Sardenberg. Leia:

- Há menos de três anos, em 17 de setembro de 2009, o então presidente L---apresentou-se triunfante em uma entrevista ao jornal Valor Econômico. Entre outras coisas, contou sem meias palavras, que a Petrobrás não queria construir refinarias e ainda apresentara um plano pífio de investimentos em 2008. “Convoquei o conselho” da empresa, contou L---. Resultado: não uma, mas quatro refinarias no plano de investimentos, além de previsões fantásticas para a produção de óleo.

Em 25 de junho último, a Petrobrás informa oficialmente aos investidores que, das quatro, apenas uma refinaria, Abreu e Lima, de Pernambuco, continua no plano com data para terminar. E ainda assim, com atraso, aumento de custo e sem o dinheiro e óleo da PDVSA de Hugo Chávez. Todas as metas de produção foram reduzidas. As anteriores eras “irrealistas”
(ou enganadoras?), disse a presidente da companhia, Graça Foster, acrescentando que faria uma revisão de processos e métodos. Entre outros equívocos, revelou que equipamentos eram comprados antes dos projetos estarem prontos e aprovados, o que é um verdadeiro absurdo.

Nada se disse ainda sobre os custos disso tudo para a Petrobrás. Graça Foster informou que a refinaria de Pernambuco começará a funcionar em novembro de 2014, com 14 meses de atraso em relação à meta anterior, e custará US$ 17 bilhões, três bi a mais. Na verdade, as metas agora revistas já haviam sido alteradas. O equívoco, visto desde o princípio, é muito maior.

Quando anunciada por L---, a refinaria custaria US$ 4 bilhões e ficaria pronta antes de 2010. Como uma empresa com importância da Petrobrás pode cometer um erro de planejamento desse tamanho? A resposta é simples: a estatal não tinha projeto algum para isso, L--- decidiu, mandou fazer e a diretoria da estatal improvisou umas plantas. Anunciaram e os presidentes fizeram várias inaugurações.

O nome disso é populismo. E custo L---. Sim, porque o resultado é um prejuízo para os acionistas da Petrobrás, do governo e do setor privado, de responsabilidade do ex-presidente irresponsável e da diretoria que topou a montagem desse cenário de mentiras.

Tem mais na conta. Na mesma entrevista, L--- disse que mandou o Banco do Brasil comprar o Votorantim, porque este tinha uma boa carteira de financiamento de carros usados e era preciso incentivar esse setor. O BB comprou, salvou o Votorantim e engoliu um prejuízo de mais de bilhão de reais, pois a inadimplência ultrapassou todos os padrões. Ou seja, um péssimo negócio, conforme muita gente alertava. Mas como o próprio L--- explicou:

“Quando fui comprar 50% do Votorantim, tive que me lixar para a especulação”.

Quem escapou de prejuízo maior foi a Vale. Na mesma entrevista, L--- confirmou que estava, digamos, convencendo a Vale a investir em siderúrgicas e fábricas de latas de alumínio. Quando os jornalistas comentam que a empresa talvez não topasse esses investimentos por causa do custo, L--- argumentou que a empresa privada tem seu primeiro compromisso com o nacionalismo.
  Só mesmo um populista irresponsável e despreparado faria coisa desse tipo; não se pode misturar administração de uma empresa com esse populismo mambembe chamado de nacionalismo.
A Vale topou muita coisa vinda de Lula, inclusive a troca do presidente da companhia, mas se tivesse feito as siderúrgicas estaria quebrada ou perto disso. Idem para o alumínio, cuja produção exige muita energia elétrica, que continua sendo a mais cara do mundo.

Ou seja, não era momento, nem havia condições de fazer refinarias e siderúrgicas. Os técnicos estavam certos. L---, prá variar, estava errado.

As empresas privadas foram se virando, mas as estatais se curvaram.

Ressalva: o BNDES, apesar das pressões de Brasília, não emprestou dinheiro para a PDVSA colocar na refinaria de Pernambuco. Ponto para seu corpo técnico.
Quantos outros projetos e metas do governo L--- são equivocados? As obras de transposição do rio São Francisco estão igualmente atrasadas e muito mais caras.

O projeto do trem bala começou custando R$ 10 bilhões e já passa dos 35 bi.

Assim como se fez a revisão dos planos da Petrobrás, é urgente uma análise de todas as demais grandes obras. Mas há um outro ponto, político. A presidente Dilma estava no governo L---, em posições de mando na área da Petrobrás. Graça Foster era da diretoria da estatal. Não é possível imaginar que Graça Foster tenha feito essa incrível autocrítica sem autorização de Dilma.

Ora, será que as duas só tomaram consciência dos problemas agora? Ou sabiam perfeitamente dos erros então cometidos, mas tiveram que calar diante da força e do autoritarismo de L---?

De todo modo, o custo L--- está aparecendo mais cedo do que se imaginava. Inclusive na política.

Foster terá que contar agora com muito respaldo de Dilma, para não ser atingida, em breve, pelo fogo amigo.


A CASA, QUE CAIRÁ UM DIA,
JÁ COMEÇOU A RACHAR!
 
Aguardemos as próximas rachaduras!
 
 
 

Ou chora ele, ou choraremos nós

 
PF instaura inquérito para apurar envolvimento de Lula com mensalão
http://www1.folha.uol.com.br/poder/1261332-pf-instaura-inquerito-para-apurar-envolvimento-de-lula-com-mensalao.shtml

 
 
A Polícia Federal instaurou na noite de ontem um inquérito para investigar se o ex-presidente teve participação no escândalo do mensalão. A investigação ficará a cargo da delegacia de crimes financeiros.
 
 
Todos sabem que ele foi o maior beneficiado do mensalão, menos a Polícia Federal, que depende de diversos "demonstrativos comprobatórios". Veremos depois.   

Tenham o que merecem



VALE MOFO

 

Dilma manda pôr cerâmica em imóvel do Minha Casa, Minha Vida
SHEILA D'AMORIM - VALDO CRUZ/BRASÍLIA

        O governo Dilma estuda conceder um "vale-cerâmica" às famílias que receberam imóveis a custo praticamente zero na primeira fase do programa Minha Casa, Minha Vida, medida que pode atingir mais de 400 mil unidades. 
        A determinação veio da própria presidente Dilma Rousseff, após ela constatar que as residências não dispunham de revestimento cerâmico em todos os cômodos. Editoria de Arte/Folhapress
        As regras em vigor no lançamento do programa não exigiam a instalação de cerâmica em todo imóvel destinado a família com renda até R$ 1.395, mas apenas nas áreas molhadas, como banheiro e cozinha. Nessa situação estão 418.969 imóveis, contratados de 2009 a 2010.
        Agora, técnicos da Caixa e dos ministérios das Cidades e da Fazenda analisam como cumprir a ordem presidencial, viabilizando a colocação de cerâmica em todos esses imóveis, inclusive nos já entregues. Ainda não há estimativa de custo e muitos problemas foram levantados.
A ideia inicial era que as construtoras fizessem o serviço e fossem remuneradas pelo governo com um acréscimo no valor do contrato original.
        Mas se questiona essa solução por causa dos transtornos para as famílias que já residem nos imóveis e também por dificuldades técnicas.
Foi sugerido, então, que o governo adquirisse o material e o entregasse às famílias.
Aí o problema apontado é que muitas já fizeram o serviço por conta própria e não precisam mais do piso.
        A proposta que vem ganhando mais força na área técnica é criar uma espécie de vale que cubra o custo de instalação das cerâmicas. Ele seria entregue a todas as famílias que já moram no imóvel.
        Para as unidades ainda em construção -estima-se que sejam apenas cerca de 50 mil-, as próprias construtoras providenciarão a colocação do revestimento.
        CUSTO MENOR - Baratin... baratin...
        Na primeira fase do Minha Casa, sob Lula, o governo decidiu não exigir cerâmica em todos os cômodos a fim de baratear a construção dos imóveis que são bancados a fundo perdido pela União (as famílias beneficiadas pagam apenas um valor simbólico).
        Essa regra foi alterada em 2011, quando, já no governo Dilma, foram aprovadas as exigências para a construção de mais 2 milhões de imóveis, na segunda fase do programa.
        A decisão da presidente de rever o padrão estabelecido para os imóveis que foram contratados antes da mudança nas normas foi tomada após visita, no início deste ano, a um conjunto habitacional do programa.
        Ela foi levada a uma unidade preparada para receber a comitiva oficial, com cerâmica em todos os cômodos.
        O que os organizadores do evento não contavam era que a presidente pediria para ver o resto do conjunto habitacional e iria se surpreender ao comparar a qualidade das diferentes unidades.
        INDIGNAÇÃO
        Dilma reagiu indignada e exigiu que todos os imóveis tivessem aquele padrão mais elevado. Aí começou a dor de cabeça dos técnicos do governo e das construtoras.
        O problema é que, dos 936.608 imóveis contratados dentro do Minha Casa 1, 418.969 foram destinados a famílias de renda até R$ 1.395, que, por não terem condições financeiras, recebem as unidades praticamente de graça.
        Nesse universo, 268.621 foram entregues e as famílias já moram nos imóveis.
        Para complicar ainda mais, das 150.348 unidades que não foram entregues ainda, a grande maioria já está pronta, faltando apenas desenrolar questões burocráticas, como registro em cartório, ou a instalação de energia e água para serem distribuídas.

 

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Como afastar quem merece ser afastado


Em seu artigo "A entrevista daquele que já deveria estar preso" (10/04/2013), Rodrigo Constantino comenta sobre uma entrevista dada ao jornal a Folha de São Paulo por um condenado pela justiça como sendo  "chefe de quadrilha" no caso do mensalão (o meliante citado se chama J. Dirceu).   Comenta o escritor que o tal condenado já deveria estar preso há muito tempo e também critica os argumentos que tal figura apresentou.
 
 
Porém, o caso mais grave é ver tantos repórteres e gente da estirpe maravilhosa do Rodrigo Constantino falarem sobre o tal indivíduo, chamarem a atenção das pessoas para quem deveria estar há tanto tempo entre as grades  que já deveria ter sido esquecido e jamais ser citado, princilmente nos grandes jornais.
 
 
Tivemos um outro meliante, um alucinado megalômano, em pleno cargo de presidente da república brasileira.  Este meliante teria dito há um tempo atrás que o mais importante, para ele, seria ser sempre citado e jamais esquecido.  Politicamente muito esperto, ele sabe que não deve ser IGNORADO para retornar ao cargo futuramente. 
 
 
Fale mal, mas fale de mim  é uma forma errada de ser lembrado por alguém, mas não é bem assim que as coisas acontecem em nosso país.  Quanto mais um indivíduo é citado, quanto mais seu nome é repetido, mais o povo ignaro se lembra dele. E é disso que PRECISAM os políticos.
 
 
Portanto, nosso principal papel é
jamais citar os nomes 
que devem ser esquecidos.
 
 
 
 
 

"Ninguém quer atrapalhar a Suruba..." disse um parlamentar

 
 
 
O Congresso é essa indecência que aí está:
não seja tão bobo e  jamais respeite um parlamentar,
seja ele quem for.
 
 
e comparam Congresso a um ‘bordel’
- escrito por Josias de Souza -
 

Sem nenhum alerta especial à audiência, a TV Câmara transmitiu na noite passada uma programação imprópria para menores. E para maiores também.
 
 
Os deputados discutiam um projeto que dificulta o nascimento de novos partidos. Empurrada pela mão invisível do Planalto, a proposta escalou a pauta de votações de sopetão. Seguiu-se um embate pornográfico.
 
 
 
Líder do PR, Anthony Garotinho escalou a tribuna para defender a proposta. A gravidade das declarações não ornava com a tranquilidade do orador. Há um “leilão” de mandatos parlamentares na Câmara, acusou Garotinho. “A primeira vítima foi o DEM. Quem serão as próximas vítimas? Precisamos coibir o aliciamento de deputados.”
 
 
O líder do PPS, Roberto Freire (PE), correu para o microfone de apartes. “A denúncia é grave. Exatamente por denúncias desse tipo, o Brasil viveu o processo por compra de deputados que está próximo do final, com a previsão de cadeia para figuras importantes da República dos tempos de L---Essa Casa não aguenta outro mensalão.”
 
 
Ex-presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ) ecoou Garotinho. “Meu partido foi estuprado”, disse, referindo-se ao rombo aberto com a debandada rumo ao PSD do ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab. Primeiro, Kassab levou os quadros do DEM. Depois, por decisão do TSE, corroborada pelo STF, levou um pedaço do cofre (fundo partidário) e outro da vitrine (tempo de tevê).
 
 
Sem travas na língua, Silvio Costa (PTB-PE) abriu sua intervenção com um aviso: “Eu não sou como Garotinho, que fala oração sem sujeito.” O plenário pôs-se em alerta. “Se tem uma CPI que eu assinaria com o maior prazer, seria a CPI do fundo partidário. Mas sei que jamais vou conseguir.” A frase requer tradução. CPI: escândalo na área. Fundo partidário: verba pública. “Jamais vou conseguir”: ninguém quer atrapalhar a suruba com investigação.
 
 
Dono de estilo teatral, Silvio Costa olha para a câmera: “O senhor e a senhora que nos assistem, prestem atenção. O Tesouro gasta R$ 350 milhões por ano com o fundo partidário.” É desse fundo que vem o dinheiro para o custeio dos partidos – do aluguel de prédios à folha de salários. Didático, Silvio prossegue: “Existem pequenos partidos que não têm aqui nenhum deputado. Mas recebem R$ 3 milhões de fundo partidário.”
 
 
Abra-se um parêntese para explicar: uma pequena parcela do fundo (5%) é rateada entre os partidos de forma igualitária. Os restantes 95% são divididos conforme o número de deputados federais eleitos na última eleição. Quanto maior a bancada, mais gorda a coleta.
 
 
No caso do PSD, a Justiça decidiu que os deputados que migraram para a legenda tinham o direito de carregar os votos obtidos em 2010. Junto com esses votos, levaram o equivalente em dinheiro do fundo e do tempo de tevê. Ficou entendido que cada deputado traz na testa um código de barras com o valor do seu passe. Fecha parênteses.
 
 
Atento ao discurso de Silvio Costa, Garotinho cobrava uma oração com sujeito. “Os nomes, os nomes”, dizia.  E o orador: “Ontem, tinha um dono de novo partido aqui. Ele dizia o seguinte: ‘Já consegui 700 mil assinaturas (a lei exige cerca de 500 mil rubricas para criação de uma legenda). Vou dar entrada [no TSE] na próxima semana. Se eu botar 20 a 30 deputados no partido, vou ter R$ 4 milhões de fundo partidário por ano’.” E Silvio: “Isso virou uma indústria.” Garotinho insistia: “Os nomes…”
 
 
Silvio Costa seguiu adiante: “O projeto que estamos discutindo aqui não proíbe ninguém de criar partido. Mas não vai levar nem o tempo de televisão nem o fundo partidário. O que eu vi ontem aqui me deu vergonha. Dois meninotes, cara de maloque, vão botar 20 a 30 deputados no partido. Isso é pilantragem”.
 
 
Como Garotinho insistisse em cobrar “os nomes”, Silvio Costa decidiu atendê-lo parcialmente: “Vou dizer os nomes”. Um frisson correu o plenário. A mesa ameaçou cortar o som do microfone. “Vou dizer. E quem quiser que me processe”. Nesse-diz-não-diz o deputado terminou dizendo apenas uma sigla: “É POS, Partido da Ordem Social.”
 
 
Ao observar o rumo da prosa, Espiridião Amin (PP-SC) mandou buscar um livro na biblioteca da Câmara. “Os Credores do Mundo”, eis o nome da obra. Amin leu frase atribuída a um assessor econômico de John Kennedy, crítico do modo como os EUA exigiam de nações subdesenvolvidas o cumprimento das regras do FMI.
 
 
Amin deu voz ao ex-auxiliar de Kennedy: “Ao pregar ortodoxia fiscal, nós, dos EUA, ficamos mais ou menos na situação da prostituta que, tendo se aposentado com o dinheiro que ganhou, acha que a virtude pública exige o fechamento da zona. ” Amin concluiu, agora com suas próprias palavras: “Nós, com a votação desse texto que prega a ortodoxia eleitoral— estaremos fechando o mercado. Ou a Zona. Por isso, recomendo à minha bancada o voto ‘sim’.”
 
 
Roberto Freire abespinhou-se. Referindo-se ao PSD, partido criado por Kassab sob estímulos do Planalto, o líder do PPS foi à jugular: “Quando o Bordel era para as prostitutas do governo, ficou aberto. Agora, o Espiridião quer dar uma de moralista. Como a Dilma e o Lula têm medo do que pode acontecer do ponto de vista politico, fechemos o bordel. Não concordo com essa terminologia. Essa Casa não é bordel. É um poder e merece respeito.”  NÃO SEI A QUE  RESPEITO ELE SE REFERIU, DEPOIS DESSES COMENTÁRIOS CHINFRINS FEITOS POR ELES MESMOS !!!
 
 
Presidente do PPS, Freire comandará neste final de semana um encontro nacional de sua legenda. Estava entendido que o PPS firmaria com o nanico PMN um acordo que resultaria na fusão das duas legendas. O nome seria trocado. E haveria na praça um novo partido, apto a receber políticos de outras agremiações sem o risco de perda dos mandatos.
 
 
Como o PPS prepara-se para enganchar o seu futuro à candidatura presidencial do emergente Eduardo Campos, estima-se que o cheiro de “novo” teria potencial para seduzir algo como duas ou três dezenas de parlamentares –com suas respectivas cotas de fundo partidário e de propaganda televisiva. O planalto decidiu levar o pé à porta.
 
 
Além do PPS, a manobra do governo inibe a formação da Rede, a nova legenda que Marina Silva tenta fundar. Envolvidos no projeto, os deputados Walter Feldeman, momentaneamente no PSDB, e Alfredo Sirkis, que faz as malas no PV, queixaram-se da “casuística” troca de regras no meio do jogo.
 
 
Falando em nome do PSOL, Chico Alencar resumiu a encrenca no idioma dos puteiros. “É evidente que aqui, para continuar nessa linguagem não muito feliz do borded e da zona, o que vai se estabelecer é o seguinte: quem comeu comeu, quem nao comeu não come mais.”
 
 
Foi a voto um pedido de urgência para a tramitação do projeto. A “urgência”é essencial para que o texto possa furar a fila dos demais projetos. Para que o requerimento passasse, eram necessários pelo menos 257. Eis o placar: 247 a favor, 20 contra e 9 abstenções.
 
 
Faltaram dez votos para que os empata-partidos prevalecessem. O projeto voltará à pauta na semana que vem. Para desassossego de Marina Silva e dos potenciais aliados de Eduardo Campos, não são negligenciáveis as chances de aprovação. Agora pelo menos a platéia já está avisada de que precisa tirar as crianças da sala.
 
 
Parlamentares confirmaram:
esse congresso é um puteiro nacional.
 
 

Obrigatoriedade dos nossos votos



Torre de Babel - MERVAL PEREIRA   
Artigo completo no blog do Murilo
 
 
"Existem diversas propostas de emenda constitucional na Câmara e no Senado extinguindo a obrigatoriedade do voto, sendo a mais antiga de 1994, mas nunca alcançam consenso para sequer ir à votação quanto mais condições para serem aprovadas. Prevalece entre os políticos a tese, muito cômoda para seus interesses, de que a obrigação de votar é um modo de educar, e não há no horizonte a perspectiva de chegar-se um dia à conclusão de que o eleitor brasileiro já está suficientemente maduro para ser deixado a seu critério a decisão de comparecer ou não às urnas. 
... "
 
 ***
 
Em seu artigo, Merval Pereira comenta sobre o que teria provocado maior abstenção dos votos nas eleições municipais de 2012.  Talvez, segundo ele, fosse por uma questão de cansaço já que os eleitores não suportam mais serem  obrigados a votar, mesmo não querendo.
 
 

Pode ser esse o motivo de uns, até da maioria, mas não é o de todos.  A falta de um nome decente para escolher, a certeza de não haver ninguém que poderia nos representar sem nos envergonhar também pode ser um grande motivo para nem passarmos perto das urnas que futuramente o brasileiro deveria deixar às moscas caso não aparecesse ninguém decente em quem dar sua garantia.
 
 
QUEM NUNCA ROUBOU OU SE APROVEITOU DOS OUTROS
PODE TOLERAR A IDÉIA DE
SER REPRESENTADO POR  
LADRÕES  E/OU VAGABUNDOS ?
 
 
QUEM TEM O MÍNIMO DE INSTRUÇÃO 
PODE ACEITAR SER REPRESENTADO
POR QUEM NEM SABE FALAR ?
 
 
Se você acha que sim, então, vote.
Se acha que não, não vote.
 
 VAMOS AGUARDAR O SURGIMENTO DE NOVOS NOMES
E AFASTAR ESSES NOMES QUE JÁ CONHECEMOS !
 
Você sabia que a multa para quem não vota custa menos que cinco reais?
 
 

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Contra o tempo...


Surpresa eleitoral


 
http://www.psdb.org.br/lula-se-nega-a-comentar-pedido-de-inquerito-para-investiga-lo-no-caso/
(artigo completo)
 
 
""Em visita a Londres, o ex-presidente L--- se recusou ontem a comentar a decisão do Ministério Público Federal de pedir a abertura de um inquérito criminal para investigar se ele participou do esquema do mensalão. “Eu não vou falar sobre isso”, disse.""  -  Folha de S. Paulo
 
Após a pergunta,
um militar da Presidência cedido para a segurança de L---
empurrou o repórter da Folha e
ameaçou expulsá-lo
do museu que o petista visitava.
 
 

Vamos saquear Brasília! - Música e letra

 
LADRÃO QUE ROUBA LADRÃO
TEM CEM ANOS DE PERDÃO
 
“Saquear Brasília” 
- álbum do  Capital Inicial,
Saturno,
lançado em novembro do ano passado
 
 
Letra:
Excelentíssimo
Deita e dorme com os anjos
Sereníssimo
Só abraços e só sorrisos como em família
Você cuida de mim, eu protejo você
É uma maravilha ser poderoso em Brasília!
Eles mentem e não sentem nada
Eles mentem na sua cara
Eles mentem e não sentem nada
Eles mentem na sua cara
Nobre colega
Acha que a nação inteira
É surda e cega
Hipocrisia todo dia
Faz parte da mobília
Tragam os seus amigos
Tragam os seus pais
Tragam os seus filhos
E também as suas filhas
Pra saquear Brasília
Eles mentem e não sentem nada
Eles mentem na sua cara
Eles mentem e não sentem nada
Eles mentem na sua cara
Vamos saquear Brasília!
Vamos saquear Brasília!
Vamos saquear Brasília!
Vamos saquear Brasília!
Vamos saquear Brasília!
 

Quando a miséria decide as eleições.



 "... a eleição é decidida pela imensidão de desvalidos que se acham felizes por não saberem o que é isso. Gente que imagina que viver é não morrer de fome retribui com votos os donativos dos gigolôs da miséria."


Artigo completo
Blog do Augusto Nunes

MEU TOMATE, MINHA VIDA - novo programa ptista

O PT-tomatô tanto que... trimilicou!
 
 
 
 
 

Novo programa do Governo Federal: Meu Tomate, minha Vida

""Diante de tantos pedidos e reclamações, apresento a todos vocês o mais novo programa do meu Governo
em parceria com o Ministério da Agricultura:
MEU TOMATE MINHA VIDA!
Agora não tem mais desculpas, todos poderão ter no almoço e no jantar lindos tomates vermelhos PT para saborear!""
 
 
 
O preço do tomate subiu tão assustadoramente que o pobre coitado saiu das saladas diretamente para as charges.
 
Só mesmo vomitando!
 
 


 

terça-feira, 9 de abril de 2013

Censura comprova a falta de argumentos?


Ayres Brito, ex-presidente do STF, ao receber o PRÊMIO LIBERDADE DE IMPRENSA, disse que o controle externo é a antessala da censura. Ao criticar as intenções políticas de impor no país uma censura disfarçada, disse ele que
"- A imprensa só pode ser controlada por ela mesma, só pode ser avaliada criticamente por ela, ... "
 
 
Parece que o ex-presidente do STF desconhece outros métodos que são constantemente usados pelo partido que se apoderou do país, como manter em suas mãos jornais e revistas em troca do pagamento de propagandas  (pagas por nós, contribuintes, igualmente censurados!) ou o bloqueio usado muito contra quem diz o  que não querem ouvir ou escrevem o que eles não querem ler, como aconteceu ontem, por exemplo, em pleno Facebook, quando dois petistas retiraram meu direito de acessar uma página onde enalteciam um possível candidato ao governo do Rio de Janeiro.   Mal sabem eles que seus nomes foram "guardados com muito carinho" para serem usados quando necessário.  
 
 
Talvez um grande motivo para o uso da censura esteja na falta de argumentos, pois nada nos dá mais prazer do que jogar o que alegam ERRADAMENTE por terra.