Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


sábado, 28 de julho de 2012

PARA OS ELEITORES BRASILEIROS




 
PARA ENRIQUECER AINDA MAIS NOSSO CONHECIMENTO SOBRE OS POLÍTICOS BRASILEIROS,  ABAIXO ESTÁ O VÍDEO INDICADO NO BLOG GRAÇA NO PAÍS DAS MARAVILHAS.










É PROIBIDO FUMAR NO STF


Retirado da página de             no Facebook



***

Parabéns a Pedro Paes não apenas pelo artigo, mas principalmente pela foto que o representa em sua página.   a Pedro Pae

Não se discute aqui ser mais ou menos saudável o hábito de fumar, até porque, independente das informações que aparecem  no próprio maço de cigarro, cada um faz o que lhe interessa e ponto final.  Nossos hábitos não devem ser norteados por decretos ou leis,  por exigências feitas por quem finge se preocupar com nossa saúde, enquanto o povo morre na fila dos hospitais públicos.

Importante, mesmo, é nossa liberdade de fazer mal até mesmo ao nosso próprio pulmão.  Ainda mais nesse mundinho onde um dia o ovo é amaldiçoado e no outro se torna um grande herói; onde o café, sempre hostilizado, começa a ser visto como resultado para muitos males.
"Segundo as recentes pesquisas, o café proporciona benefícios e efeito protetor contra diabetes tipo II, Alzheimer, doença de Parkinson e certos tipos de câncer, principalmente de fígado. Os benefícios aparecem em longo prazo e são atribuídos aos diterpenos presentes no café novo, que deve preferencialmente ser moído na hora do preparo." 
http://odetholiveira.blogspot.com.br/2009/08/afinal-cafe-faz-bem-ou-mal-para-saude.html


Se passaram a colocar um ""aviso"" nos maços de cigarro, porque não o fazem também nos pacotes de batata frita, por exemplo?  Será apenas um modismo? 

VAMOS VER, AGORA,
COM O JULGAMENTO DO MENSALÃO,
QUANTAS  'BAFORADAS'  VÃO JOGAR NA NOSSA CARA.

É PROIBIDO FUMAR NO STF
E É PROIBIDO PROIBIR

 
Atualmente, é proibido fumar em ambientes fechados.   Não é mais  permitido fumar nem mesmo em local exteno coberto por toldo.  No entanto, o ex quase tudo que nunca fez quase nada  fumava dentro do avião presidencial.  Ser presidente da República jamais seria motivo para agir contra a lei; exatamente o contrário, pois é dele que deveria surgir o exemplo. 


Mais uma: muitos hipócritas  defendem a Lei Seca, no entanto, após umas taças de vinho, sacam seus celulares para saber onde há fiscalização. Então, felizes, todos entram em seus carros e vão para casa com a cara cheia e a consciência limpa .

CUIDADO! FALSIDADE PROVOCA CÂNCER!




sexta-feira, 27 de julho de 2012

ATENÇÃO! ATENÇÃO! DOMINGO!

Caminhada no Rio convoca sociedade para acompanhar julgamento do mensalão


Blog do Reinaldo Azevedo

Uma manifestação marcada para o domingo, no Rio, tentará chamar a atenção da sociedade para acompanhar o julgamento do mensalão. O ato é organizado pelo Movimento 31 de Julho contra a Corrupção e a Impunidade. Estão previstas uma caminhada no calçadão do Leblon e de Ipanema, na zona sul, e a distribuição de um bolo que comemora o início do julgamento.

A concentração para a caminhada será em frente à rua Rita Ludolf, no início da praia do Leblon, às 10h. A marcha começa às 11h e seguirá até o Arpoador.


Fundado há um ano, o Movimento 31 de Julho criou um blog para acompanhar o julgamento, o




A página na internet vai reproduzir artigos, publicações relevantes sobre o julgamento e os movimentos principais do processo no Supremo Tribunal Federal (STF).


Ao longo do ano, o grupo participou das manifestações contra a corrupção e pela aprovação da Lei da Ficha Limpa. O Movimento 31 de Julho comemora o início do julgamento e avalia que, no último ano, “a sociedade brasileira perdeu a paciência com a corrupção e a impunidade”.


Por Reinaldo Azevedo

 
Este aviso está também no blog do Beto.


 


CHEFETE (e não líder) - artigo escrito por Wellington Cardoso Ramos


Chefete (e não líder)


Wellington Cardoso Ramos - escrito em 27/12/2009

Alguns chefes parecem encarnar o diabo nas suas relações com os subordinados. Julgam-se chefes para sempre (no mínimo o medo do dia seguinte deveria ser sempre motivo de reflexão sobre os nossos comportamentos) e agem como feitores. Sentem-se no direito, não de comandar. Simplesmente mandam.

São pessoas que vivem cada dia como se dependessem do sofrimento alheio para atenuar suas próprias frustrações íntimas. Frustrações que não conseguem admitir nem ao conversarem com o espelho. Gente de peculiar capacidade para conquistar inimigos. E elas estão por aí, aos montes.

Mas, se destacam mesmo é no serviço público, que parece aflorar em algumas delas o sentimento de superioridade intelectual absoluta, ainda que, profissionalmente, só tenham a aprender.
Alguém, sabiamente, disse que, “se queres conhecer uma pessoa, dê-lhe poder”. Nada mais verdadeiro. Os poderes nivelam as pessoas em se tratando da prática do mal: seja ele econômico ou político. Ah! Como o poder mexe com as pessoas!

Subordinados ou ilustres desconhecidos de ontem se revelam com o poder lhes proporcionado. Parecem outras pessoas. Põem pra fora seus instintos covardemente adormecidos quando não têm o poder de mando.

Há os que aproveitam o poder de mando para tirar dos comandados, em benefício do interesse coletivo ou da empresa, o que cada um deles tem de melhor. Maltratado, o homem (e a mulher) também empaca. O comandado estimulado, valorizado e respeitado rende, às vezes, até mais do que pode. Talvez seja por isso que em um time de futebol, por exemplo, determinado atleta, mesmo sem ser craque, rende mais que em outro. A diferença está no comando.
Na reta final do Campeonato Brasileiro de 2009, o Fluminense mostrou o que um grupo sem grandes profissionais, mas motivado (e isso não é apenas ter salários recebidos em dia), é capaz de fazer. Até o impossível.
Tem chefe que esculhamba o subordinado na presença de outras pessoas, mas pede desculpas quando estão a sós, baixinho, como que querendo esconder-se de si mesmo. Existe aquele que, para aumentar a agonia do comandado esculhambado, ainda diz que vai levar o assunto da discórdia unilateral ao seu próprio superior ou chefe máximo, com quem, provavelmente, nem tenha o trânsito que faz parecer ter. Aliás, tem chefe que adora se dizer da cozinha de quem manda também nele. “Somos assim, ó!” – costuma dizer para “aumentar” o seu poder aos olhos do subordinado.
Quanta mediocridade!
Por aí afora existem chefes aos montes. Mas, poucos deles são líderes. A maioria dos que são apenas chefes tenta esconder a própria incompetência atrás da arrogância e da petulância com que trata os trabalhadores que comanda.

E quase sempre se servem da inteligência e da competência dos subordinados para apresentarem aos superiores, resultados obtidos por outros como se fossem seus. A esse tipo de gente normalmente também falta caráter.
São chefes que só dão nomes aos subordinados para o próprio superior quando as coisas sob a sua responsabilidade saem erradas e precisam “tirar o seu da reta”. Aí, a culpa é dos subordinados, que não têm chance de se defender. Quando não há reparos a fazer, ficam sozinhos com os louros. Nunca atribuem o sucesso aos comandados, mas apenas os fracassos.
Já presenciei muitos chefes entregando relatórios a superiores como se fossem os seus autores. Ou que quando vão ser submetidos a questionamentos sobre assuntos de sua responsabilidade fazem questão de levar a tiracolo o assessor que carrega o piano, mas nunca é valorizado.
Não é incomum encontrar esse tipo de gente atribuindo a si mesma expressiva parcela de responsabilidade pelo sucesso do superior. Gente que adora dizer para os subordinados que apenas ele tem coragem de marcar posição diante de uma atitude do superior que não foi do seu agrado. Em verdade, a esse tipo de gente também falta coragem. Sempre está com o “rabo no meio das pernas”.
Observe esse tipo de gente, que se situa na faixa que separa quem manda de fato e os que estão na ponta: ri de orelha a orelha com qualquer piada sem graça contada pelo superior, ainda que seja o próprio alvo da gozação, e está sempre de cara amarrada para o subordinado. Quase nunca deixa o comandado expor em detalhes o que pensa. Julga-se inteligência superior, que não precisa ouvir o que tem a dizer quem está no degrau debaixo.
Está sempre atrasado, mas adora ser “rigoroso” com o tempo (dos outros). Muitos não fazem nada, mas vivem botando defeito no serviço alheio. Até mesmo sobre o que não entende.
Ah! Mas não é só isso. Quase sempre esse tipo de gente, se homem, se engraça com subordinada. Acha que a chefia transitória que ocupa lhe dá o direito de também assediar sexualmente. Quase sempre insinua para o amigo que o visita estar “ficando” com a subordinada que também encheu os olhos do visitante. Só pra se dizer macho, quando, em verdade, é um babaca.
Ah! Que capacidade tem esse tipo de gente para tornar tenso qualquer ambiente de trabalho. De desmotivar aqueles que deveriam estar estimulados, em prejuízo até mesmo de quem o alçou à condição de chefe, confiando em sua capacidade de liderar e de transformar em realizações as suas orientações.
A falta de caráter desse tipo de pessoa é tamanha que é capaz de sorrir sempre que precisa de um favorzinho pessoal, mas de ficar carrancuda quando é a outra pessoa quem precisa dela. A menos que o necessitado do favor seja seu superior. Nesse caso, “é um prazer servi-lo”.
A maioria dessas pessoas não precisa mais do que três meses para ser esquecida.
Não é menos verdadeiro também que existem subordinados que querem sombra e água fresca o tempo todo. Não têm compromisso com suas obrigações e não estão nem aí para o resultado da máquina em que representam uma peça – às vezes defeituosa. Ignoram que em uma engrenagem toda peça é importante. Iniciam a semana pensando no que fazer pra enrolar o tempo de forma que a sexta-feira chegue o mais rápido possível, ignorando que em ambiente profissional o trabalho é capaz de fazer o relógio andar mais rápido.
Também não é menos verdadeiro que alguns comandados ajudam a moldar o chefe, para o bem ou para o mal. Há até quem “estrague” o chefe com o excesso de puxa-saquismo. E ainda aqueles que sonham mandar e usam o nome do chefe para ver alguém cumprindo suas próprias ordens, que jamais vieram de cima.
Há aqueles que exteriorizam imagem irreal do chefe. Vivem emburrados e a culpa é sempre do chefe. Nunca assumem suas deficiências, nem procuram melhorar.

Entre as qualidades de um verdadeiro chefe/líder está a capacidade de distinguir uns e outros, quem não lhe puxa o saco, mas tem qualidades morais, intelectuais e profissionais e as usa o tempo todo, e quem lhe puxa-saco, solícito para tudo que não se relaciona com o trabalho. O verdadeiro chefe/líder é capaz de encontrar valores em cada um de seus comandados e saber explorá-los. É capaz de não se deixar seduzir pelo bajulador.
Para todos aqueles que essa crônica puder levar a um minuto de reflexão, a ajuda do texto de Carlos Baccelli/Irmão José: “Senhor Jesus, diante do sucesso neste ou naquele empreendimento, não nos deixes vangloriar-nos dos méritos que não possuímos (...) As oportunidades se alternam para todos os filhos de Deus, que não privilegia ninguém. Se hoje conquistamos posição de destaque, é possível que amanhã tornemos à obscuridade. Não nos deixes, pois, esquecer da transitoriedade de tudo e que sejamos magnânimos para com todos”.

Um líder entenderá o significado desta crônica, o simplesmente chefete, não.
“Pensa como pensam os sábios,
mas fala como falam as pessoas simples”. (Aristóteles)
(escrito em dezembro de 2009)

***


Ao considerar alguém como lider,
pense antes em que tipo de gente ele lidera.





Chefes e chefetes






Significado de Chefete - (ê) sm (chefe+ete) pej  =  1 Chefículo, pequeno chefe. 2 Chefe sem maior prestígio.  Sinônimos de Chefete: cacique, dunga e mandão.   


Exemplo com a palavra chefete na imprensa: "Em vários municípios há um controle das siglas por um coronel, um chefete, até mesmo da base aliada. Há políticos locais que apoiam a Dilma, têm propostas coerente com as nossas e querem participar conosco mas estão numa dessas siglas [de oposição]". Folha de São Paulo, 05/08/2011 
*

No caso da palavra 'chefete', como em muitas outras, o sufixo -ete teria uma intenção diminutiva, pejorativa. Chefes seriam uns, enquanto chefetes seriam chamados  os mandões vistos por uma ótica ridicularizada, porém mais de acordo com suas características. 

O livro O CHEFE de Ivo Patarra, com  detalhes sobre o mensalão, pode ser encontrado nas livrarias ou ser lido na Internet.  Como tem mais de 400 páginas e o tempo anda cada vez mais curto, podemos escolher os detalhes que mais nos interessam pelo índice (cópia do índice no final da página).

Segundo a Corregedora do CNJ, o  STF será avaliado  pelos incautos brasileiros de acordo com o julgamento do mensalão.                       http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/07/24/corregedora-do-cnj-diz-que-stf-sera-avaliado-em-julgamento-do-mensalao/

*

ENVIADO PARA O STF que já deixou de ser o superior STF e passou a ser um inferior ITF há muito tempo.  Que encham sua caixa para que se respeitem ao julgar o que já foi julgado pelos brasileiros.
É aconselhável que leiam o livro de Ivo Patarra
(
http://www.escandalodomensalao.com.br/indice.php ) para que não aleguem, futuramente,  falta de provas  para que os mensaleiros sejam devidamente encarcerados.
Segundo a Corregedora do CNJ, o  STF será avaliado  pelos incautos brasileiros de acordo-com-o-julgamento-do-mensalão.                     http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/07/24/corregedora-do-cnj-diz-que-stf-sera-avaliado-em-julgamento-do-mensalao/
Jurema Cappelletti   

????? - O único meio de contato com o STF seria esse espaço para ""Solicitação de Pesquisa"" ?  E quem disse que pretendo pesquisar alguma coisa?   De qualquer jeito é para lá que vai, já que não encontrei outro caminho! 


 
Índice: 

Capítulo 1 - 'O governo Lula é o mais corrupto de nossa história'; Capítulo 2 - Montanhas de dinheiro: em pacotes, malas, carros-fortes e até em cuecas; Capítulo 3 - Lula, o chefe  (pelas características de L.I. , chefete estaria bem mais de acordo);  Capítulo 4 - A história do 'acordo criminoso' da chapa Lula/José Alencar em 2002; Capítulo 5 - O escândalo do dossiê: flagrante de R$ 1,7 milhão em dinheiro vivo;  Capítulo 6 - Os 403 dias que marcaram o escândalo do mensalão; Capítulo 7 - Na denúncia do procurador-geral da República, mensalão foi ação de 'organização criminosa'; Capítulo 8 - O assassinato do prefeito Celso Daniel, coordenador da eleição de Lula em 2002; Capítulo 9 - Promotores pediram prisão de Antonio Palocci, acusado por envolvimento com a 'máfia do lixo'; Capítulo 10 - Oito ministros do governo Lula. Oito casos de corrupção;  Capítulo 11 - O presidente do Senado, aliado de Lula. Outro caso de corrupção;  Capítulo 12 - Sob a conveniência da 'segurança nacional', Lula não revelou gastos com cartão ;  Capítulo 13 - Em 5 anos, Lula repassou R$ 12,6 bilhões para ONGs. Dinheiro para amigos, mal fiscalizado;  Capítulo 14 - Traquinagens da família Lula da Silva. As andanças de Genival, o "Vavá";  Capítulo 15 - Duas tragédias, apagão aéreo e corrupção na Infraero. Compadre de Lula ganhou milhões;  Capítulo 16 - STF abriu processos contra 40 mensaleiros. José Dirceu foi acusado de corrupção ativa e formação de quadrilha; Capítulo 17 - Dois anos depois, Polícia Federal desmantelou  outra organização criminosa nos Correios;  Capítulo 18 - TCU recomendou paralisar obras irregulares; Petrobras foi campeã em aumento de custos;  Capítulo 19 - Apesar do desgaste, Lula defendeu José Sarney e retribuiu apoio recebido no caso do mensalão;  Capítulo 20 - Lula: 'Sarney tem história para que não seja tratado como se fosse pessoa comum';  Capítulo 21 - Na crise do mensalão, o PT temeu o impeachment. A oposição não agiu. Lula deu a volta por cima  (por cima da sacanagem).



No endereço http://www.escandalodomensalao.com.br/indice.php  está o índice.  É só clicar para ler. 
-
Entrevista com José Parra em





quinta-feira, 26 de julho de 2012

Cariocô! ... Sambô !





'Homenagem'
ao Governador do Rio de Janeiro
e ao Prefeito da cidade
que já foi maravilhosa




Vamos aplaudir, antes de continuar - PLÉC, PLÉC, PLÉC













Parabéns a JANER CRISTALDO e obrigada a Neiva



 E X C E L E N T E

JANER CRISTALDO

Leitores querem saber por que não escrevo sobre as grandes corrupções nacionais. Ora, isto está na primeira página de todos os jornais. A crônica é tão vasta que já existem extensas compilações on line, para orientar o leitor no organograma da corrupção. Prefiro falar sobre o que os jornais não trazem. Por exemplo, o Não sei se o leitor notou, mas a dita grande imprensa não disse um pio sobre isto. O que sabemos vem da blogosfera.



Prefiro falar de corrupções mais sutis, quase imperceptíveis, mas corrupções. A imprensa denuncia com entusiasmo a corrupção no congresso, na política, nos tribunais. Não diz uma palavrinha sobre a corrupção no santo dos santos, a universidade. Corrupção esta mais difícil de ser detectada, já que em geral foi legalizada. Mordomias para encontros literários internacionais inúteis, concursos com cartas marcadas, endogamia universitária, tudo isto se tornou rotina no mundo acadêmico e não é visto como corrupção.



 JORGE AMADO

Tampouco se fala sobre a corrupção no mundo literário, que há muito se prostituiu. Jorge Amado, que passou boa parte de sua vida escrevendo a soldo de Moscou, está sendo homenageado nestes dias no país todo. Devo ter sido o único jornalista que o denuncia – e isto há décadas – como a prostituta-mor das letras tupiniquins.


Corrupção só existe quando em uma ponta está o Estado. Se o dono de meu boteco me cobra 50 reais por uma cerveja e eu pago com meu dinheiro, pode ter ocorrido um abuso, mas jamais corrupção. O dinheiro é meu e a ele dou a destinação que quiser, por estúpida que seja. Mas se um fornecedor de cervejas as vende por 50 reais ao governo, está caracterizada a corrupção. Porque governo não tem dinheiro. Governo paga com os meus, os teus, os nossos impostos. E obviamente alguém do governo vai levar algo nessa negociata.

 Escritores, esses curiosos profissionais que querem transformar suas inefáveis dores-de-cotovelo em fonte de renda, adoram subsídios do Estado. Não falta quem pretenda a regulamentação da profissão. O que não seria de espantar, neste país onde até a profissão de benzedeira acaba de ser reconhecida no Paraná. (Voltarei ao assunto).

Em 2002, Mário Prata, medíocre cronista do Estadão, pedia a Fernando Henrique Cardoso o reconhecimento da profissão de escritor: "O que eu quero, meu presidente, é que antes de o senhor deixar o governo, me reconheça como escritor". Claro que não era apenas a oficialização de uma profissão que estava em jogo. Mas o financiamento público da guilda. Cabe observar como o cronista, subserviente, se habilita ao privilégio: “meu presidente”.

Esquecendo que existe um Congresso neste país, o cronista pedia ao presidente a elaboração de uma lei. Mais ainda. Citava a Inglaterra como exemplo de país onde o escritor é reconhecido. Lá, segundo o cronista, toda editora que publicar um livro, tinha que mandar um exemplar para cada biblioteca pública do país. "Claro que os 40 mil exemplares são comprados pelo governo. Quem ganha? Em primeiro lugar o público. Ganha a editora, ganha o escritor. Ganha o País. Ganha a profissão".


E quem perde? - seria de perguntar-se. A resposta é simples: como o governo não paga de seu bolso coisa alguma, perde o contribuinte, que com os impostos tem de sustentar autores até mesmo sem público. É o que chamo de indústria textil. Textil assim mesmo, sem acento: a indústria do texto. É uma indústria divina: você pode não ter nem um mísero leitor e vender 40 mil exemplares. O personagem mais venal que conheço é o escritor profissional. Ele segue os baixos instintos de sua clientela. O público quer medo? Ele oferece medo. O público quer lágrimas? Ele vende lágrimas. O público quer auto-ajuda? Ele a fornece. É preciso salvar o famoso leite das criancinhas.


No fundo, saudades da finada União Soviética, onde os escritores eram pagos pelo Estado comunista para louvar o Estado comunista. Seguidamente comento – e creio ser o único a comentar – o livro A Sombra do Kremlin, relato de viagem do jornalista gaúcho Orlando Loureiro, que viajou a Moscou em 1952, mais ou menos na mesma época que outro jornalista gaúcho, Josué Guimarães. Enquanto Josué, comunista de carteirinha, vê o paraíso na União Soviética em As Muralhas de Jericó, Loureiro vê uma rígida ditadura, que assume o controle de todo pensamento. Comentando a literatura na então gloriosa e triunfante URSS, escreve Loureiro:


A União dos Escritores funciona como um Vaticano para a moderna literatura soviética. O julgamento das obras a serem lançadas obedece a um critério estreito e sectário de crítica literária. Esta função é exercida por um conselho reunido em assembléia, que discute os novos livros e sobre eles firma a opinião oficial da sociedade. A exegese não se restringe aos aspectos literários ou artísticos da obra julgada, senão que abrange com particular severidade seu conteúdo filosófico, que deve estar em harmonia absoluta com os conceitos de “realidade socialista” e guardar absoluta fidelidade aos princípios ideológicos da doutrina marxista. Se o livro apresentar méritos dentro do ponto de vista dessa moral convencionada, se resistir a esse teste de eliminatória, então passará por um rigoroso trabalho de equipe dentro dos órgãos técnicos da União, podendo vir a tornar-se num legítimo best-seller, com tiragens astronômicas de 2 a 3 milhões de exemplares. E o seu modesto e obscuro autor poderá ser um nouveau riche da literatura e será festejado e exaltado e terminará ganhando o cobiçado prêmio Stalin...

Foi o que aconteceu com a prostituta-mor das letras brasileiras. Em 1950, o ex-nazista e militante comunista Jorge Amado passou a residir no Castelo da União dos Escritores, em Dobris, na ex-Tchecoslováquia, onde escreveu O Mundo da Paz, uma ode a Lênin, Stalin e ao ditador albanês Envers Hodja. No ano seguinte, quando o livro foi publicado, recebeu em Moscou o Prêmio Stalin Internacional da Paz, atribuído ao conjunto de sua obra, condecoração geralmente omitida em suas biografias.


Não que hoje se peça profissão de fé marxista ou louvores a Stalin. No Brasil, para ter sucesso, o escritor hoje tem de aderir ao esquerdismo governamental. Não precisa louvar abertamente o PT. Mas se tiver dito uma única palavrinha contra, não é convidado nem para tertúlia nos salões literários de Não-me-toques. Você jamais ouvirá um Luís Fernando Verissimo, Mário Prata, Inácio de Loyola Brandão ou Cristóvão Tezza fazendo o mínimo reproche às corrupções do PT. Perderiam as recomendações oficiais como leituras escolares e acadêmicas... e uma considerável fatia de seus direitos de autor. O livro de Loureiro não mais existe, só pode ser encontrado em sebos. Os de Josué continuam nas livrarias. Et pour cause...


Escritor financiado pelo Estado é escritor que vendeu sua alma ao poder. É o que acontece quando literatura vira profissão. Alguns se rendem aos baixos instintos do grande público e fazem fortuna considerável. Uma minoria consegue exercer honestamente a literatura e manter a cabeça acima da linha d'água.


Uma imensa maioria, que não consegue ganhar a vida nem honesta nem desonestamente, apela à cornucópia mais ao alcance de suas mãos, o bolso do contribuinte. É o caso de Chico Buarque, o talentoso escritor cujo talento maior parece ser descolar financiamento para sua “obra” junto ao contribuinte. Mas Chico está longe de ser o único. Está cometendo algum crime? Nenhum, seus subsídios são perfeitamente legais. Mas por que cargas eu ou você temos de pagar pelas traduções e viagens a congressos internacionais de um escritor que se dá ao luxo de ter uma maison secondaire às margens do Sena?


Ainda há pouco, eu comentava o absurdo de o contribuinte financiar a tradução de Chico na Coréia. Leio agora que o programa de bolsas de tradução da Biblioteca Nacional vai apoiar mais autores best-sellers no Brasil. O Diário de um Mago, de Paulo Coelho, será lançado na China pela editora Thinkingdom Media Group. Já As Esganadas, de Jô Soares, estará nas livrarias francesas. Ora, Coelho tornou-se milionário graças a suas obras de auto-ajuda, já traduzidas em quase 60 idiomas. Jô, que deve ganhar salário milionário na televisão, tem seus livros entre os mais vendidos, graças ao fator Rede Globo. Será que estes senhores precisam enfiar a mão em nosso bolso para pagarem seus tradutores na China e na França?


É destas corrupções, perfeitamente legais, que prefiro falar. Porque delas ninguém fala. Em verdade, nem mesmo os leitores. Não há quem não chie contra a carga tributária imposta ao contribuinte no Brasil. Mas todos pagam sem chiar as mordomias destas prostitutas das Letras.




Entre câncer e lepra...


...  ficamos nós.

Fernando Lugo, L.I., Dilma Rousseff e Hugo Chaves foram atacados pelo câncer.   Ao perceber o modismo, Cristina Kirchner bem que se esforçou, mas não conseguiu.  Agora é a vez de Roberto Jefferson.

Enquanto isso, ouvimos o bicheiro Cachoeira dizer que virou um "leproso jurídico".


QUE SE FAÇA JUSTIÇA.
-
Não a justiça dos homens que no Brasil não existe.

 ***

Carlinhos Cachoeira,  ao fazer declaração de amor à sua mulher e  pedi-la em casamento em pleno tribunal, não expôs apenas sua ignorância em relação ao local em que se encontrava.  Agiu exatamente como se acostumou a ver a forma como é tratado um tribunal em nosso país: um lugar como outro qualquer.  Agiu como se estivesse, por exemplo, num restaurante ou num botequim.  Nosso  Tribunal tem o respeito que merece. 






Jornal sempre atrasado











quarta-feira, 25 de julho de 2012

Banheiros, descargas, entupimentos e Delúbio Soares

Retirado da página do Facebook
DO CORONEL DO BLOG



PT ALEGA PROBLEMA NA DESCARGA DO BANHEIRO PARA IMPEDIR ATO PRÓ DELÚBIO NA SEDE DO PARTIDO.


JULIANDER ALVES, SECRETÁRIO NACIONAL DE JUVENTIDE DO PT-DF E COORDENADOR DO ATO A FAVOR DO TESOUREIRO DA QUADRILHA DO MENSALÃO, DELÚBIO SOARES, NEGOU QUE O DIRETÓRIO NACIONAL TENHA IMPEDIDO A REALIZAÇÃO DO ATO NA SEDE NACIONAL DO PARTIDO, POR RAZÕES POLÍTICAS.

SEGUNDO ELE, O DIRETÓRIO LHE COMUNICOU QUE HOUVE UM PROBLEMA NO  "SISTEMA HIDRÁULICO DOS BANHEIROS".
EM RESUMO, O PT NACIONAL AVISOU: SE QUEREM DAR ESTA CAGADA, O FAÇAM LONGE DAQUI. JULIANDER ENTÃO TELEFONOU PARA A CUT-DF, QUE CONCORDOU EM CEDER SEU PRÉDIO. NO ATO, DELÚBIO DEVERÁ FAZER UM RESUMO DA DEFESA QUE APRESENTOU NO PROCESSO DO MENSALÃO.
Mais informações : ABC POLITIKO...
http://www.abcpolitiko.com.br/noticias.php?id=35971
Enviado por waldo@infolink.com.br
 
 
 
 
 

MENTIROSOS OU MALUCOS?



MENSALÃO e CPEM:  ditos, desditos, mentiras e maracutaias 


  • Diz o PT que o dinheiro do mensalão não era público, era privado.
  • Hoje diz o jornal que a defesa do Banco Rural no mensalão vai contradizer o PT e afirmar que o dinheiro era público  (como se isso fosse alguma coisa rara no meio dessa gente).
  • No livro JÁ VI ESSE FILME/2005 e em outras entrevistas, Paulo de Tarso Venceslau afirma que, na época avisou muitos participante$ do PT,  insistentemente, sobre o caso do CPEM, inclusive 'o ex-quase tudo que nunca fez quase nada e nunca viu coisíssima alguma" (*). Paulo de Tarso deu, na época, diversas entrevistas sobre o assunto.
  •  Embora digam que o ex-quase tudo já conhecia também o caso do mensalão, surgiu Roberto Jefferson em sua defesa (o mesmo Roberto Jefferson que espalhou o mensalão no ventilador).  Dúvida: seria possível que acontecesse qualquer coisa dentro do PT sem que o supostamente  todo poderoso  soubesse?  Ou melhor, seria possível que fizessem tantas maracutaias dentro do partido sem a autorização do seu al capone?
  • Uma hora o ex-quase tudo se mostrou choroso, indignado e triste com o desconhecido  caso do mensalão.
  • Em outra, o ex-quase tudo afirmou que o mensalão era apenas um caixa dois (!!!) 
  • Um dia, talvez para testar que podia mentir à vontade sem que seu nariz crescesse tanto quanto o de Pinóquio, o ex resolveu dizer que o mensalão nunca existiu.  Só não explicou onde enfiou toda a tristeza que havia sentido antes, nem explicou como o caixa dois se transformara em coisa nenhuma.

Sugestão de novo método para julgamento:

Dêem aos mensaleiros o direito de escolha e perguntem a cada um deles:   Você é ladrão ou é maluco?   Dependendo de qual seja a resposta os enfiem numa cela ou num hospício.
***

(*) Você Sabia?
Após cansar de tanto avisar os PTistas sobre problemas no CPEM, Paulo de Tarso resolveu ir até o 'ex-quase tudo que nunca fez quase nada'  sobre a patifaria que vinha ocorrendo.  Foi muito bem recebido e o  ex  disse para que ele deixasse, pois tomaria as providências necessárias.  Assim o fez:  Paulo de Tarso  foi  exonerado.  Entrevista de Paulo de Tarso, pág. 158 livro JÁ VI ESSE FILME.
Carta de Paulo de Tarso para o ex no endereço:






terça-feira, 24 de julho de 2012

Veremos se Deus é brasileiro!



KOF, KOF, KOF

O 'ex-quase tudo que nunca fez quase nada'
recebeu o que mais merecia.
E é claro que não me refiro ao prêmio!

KOF, KOF, KOF
*
Ao agradecer o prêmio José Aparecido de Oliveira, oferecido pela CPLP, o ex-quase tudo que nunca fez quase nada, L.I., gravou um vídeo com uma voz um tanto estranha, com algumas variações.  Talvez por ainda não ter terminado a fonoaudiologia pagas por nós  ou ...

 
no próximo dia 6, será feito novo exame
para decidir o que ele poderá fazer na capanha eleitoral

"Por falar" em vídeo,  além do artigo, o blog Lilicarabina apresenta um outro vídeo que mostra o constrangimento provocado nos senadores por um Bispo católico.  Se é que existe algum constrangimento no meio desse tipo de gente! 

 
Em 2011, dom Manuel Edmilson da Cruz  o Bispo de Limoeiro do Norte (CE), recusou comenda no Senado. Abaixo está só o vídeo. O artigo completo pode ser lido em http://lilicarabinabr.blogspot.com.br/2012/07/bispo-catolico-constrange-senado-federal.html   ou http://pedrodaveiga.blogspot.com.br/2011/01/bispo-recusa-comenda-e-impoe.html

 

 
NOTA: Lamento, mas este blog não é destinado a  'santas criaturas'.

   

 


ANISTIA DA MALANDRAGEM POLÍTICA




NOVA PROPOSTA:

Todos os políticos, infratores  até hoje, terão anistia ampla, geral e irrestrita. 


Porém, futuramente, nenhum desses espécimes terá direito a qualquer  comissão da verdade, sendo  'enforcados'  em praça pública, sem direito a nenhum tipo de defesa.


Neste caso,  enforcado é um termo meramente simbólico a ser determinado pelos eleitores da maneira que acharem mais de  acordo com o ajuizamento da questão.



Rio de Janeiro, 24 de julho de 2012.
Decreto a ser editado no Diário Oficial da União.


COM ESSE TIPO DE ANISTIA, QUANTOS SERÃO OS PRÓXIMOS CANDIDATOS E QUANTO ELES TERÃO TANTO PRAZER EM GASTAR COM SUAS CAMPANHAS?
 

Obs.: Como os políticos já estão anistiados por leis criadas por eles próprios, a próxima anistia deveria ser assinada pelos eleitores. Aguardaremos como será o julgamento do mensalão agora no início de agosto.







Enquanto você se esforça ...



 
... para ser um sujeito normal,

os  'anormais' se aproveitam de você.


Música Maluco Beleza.

Trecho inicial:
Enquanto você se esforça para ser
 um sujeito normal e fazer tudo igual...





Não entrou no esquema? Pé no traseiro!

 
 
Ou: "Toda vez ele faz tudo sempre igual."
 
Paulo de Tarso e Luiz Maklouf X PT 
http://www.eagora.org.br/arquivo/Se-tivessem-feito-a-depurao-no-estaramos-vendo-o-filme-de-agora  O mesmo caso é narrado no livro JÁ VI ESSE FILME (Reportagens (e polêmicas) sobre L.I. e o PT.

Paulo de Tarso Venceslau, entrevista a O Estado de S. Paulo, 28/07/05. Para relembrar uma das estripulias de L.I. que passaram em branco.

Expulso do PT em 1998, depois de ter denunciado o esquema operado pelo compadre de Lula para arrecadação de dinheiro em prefeituras administradas pelo partido, Paulo de Tarso Venceslau vê semelhanças entre o atual escândalo petista e o caso CPEM. Luiz Maklouf Carvalho Especial para o Estado TAUBATÉ

Na pequena redação do jornal que escreve e dirige, o tablóide semanal Contato, o economista Paulo de Tarso Venceslau assiste, de camarote, mas sem alegria, ao desenrolar da maior crise na história de um partido que já foi seu, o PT. Expulso no começo de 1998, depois de denunciar o caso CPEM - esquema de arrecadação de dinheiro junto a prefeituras do PT, operado pelo advogado Roberto Teixeira, compadre do presidente Lula -, ele sustentou, e continua a sustentar, que sua expulsão foi injusta e teve dois objetivos: proteger o amigo de Lula e evitar a investigação profunda da até ali mais grave denúncia de corrupção na história do PT. Eu dei a eles essa grande oportunidade. Se tivessem aproveitado, e feito a depuração, não estaríamos vendo o filme de agora. (referência ao fracassado filme com a vida do ex-quase tudo que nunca fez nada)”.

Ele cita documento que foi boicotado na época pela direção do PT: a explícita condenação dos métodos de Teixeira por uma comissão de investigação integrada pelo economista Paul Singer e pelos juristas Hélio Bicudo e José Eduardo Martins Cardozo, hoje deputado e integrante da CPI dos Correios. “Apesar disso, o expulso fui eu.”

A denúncia do caso acabou com sua amizade com o hoje deputado José Dirceu, que na época negou as denúncias, assim como o presidente Lula. Em março de 1995, o economista entregara a Lula carta em que relatava a atuação de Teixeira e da Consultoria para Empresas e Municípios (CPEM). Também em carta pediu a Dirceu, Eduardo Suplicy e Aloizio Mercadante a apuração da denúncia. Depois de 2 anos sem providências internas, em 1997 ele tornou público o que sabia, em entrevista ao Jornal da Tarde. Lula, Dirceu e outros dirigentes o processaram. Mas até aqui Paulo de Tarso não não perdeu nenhuma das ações, que continuam tramitando.

Na entrevista, ele aponta semelhanças entre o caso CPEM e o de agora, diz que seria “ingenuidade” acreditar que Dirceu não soubesse do esquema Delúbio Soares-Marcos Valério. Procurado para comentar, Dirceu não quis responder. Por sua assessoria, informou que não falaria porque o assunto “é requentado”. Lula, Teixeira, Silvio Pereira, Delúbio Soares e José Genoino não deram retorno. O deputado José Mentor, relator da CPI do Banestado, negou que tenha “blindado” Teixeira. “O Roberto é meu amigo há 40 anos, mas não houve blindagem.”

Com que sentimento o sr. está assistindo à maior crise do PT?
Diz o ditado que o pepino se torce enquanto é novo. O PT teve essa oportunidade há dez anos, quando contei para Lula que Roberto Teixeira estava usando o nome dele para arrecadar dinheiro para o PT, com métodos que não eram lícitos, o que foi comprovado por uma auditoria externa e uma sindicância interna. Lula reagiu com destempero, achando que eu devia ser expulso, para preservar o compadre. Isso quando havia um relatório de investigação, assinado por Bicudo, Cardozo e Singer, pedindo a cabeça do Teixeira.

Qual a conseqüência do relatório?
Nenhuma. O Lula foi o primeiro a saber do caso. Sabia do comprometimento do seu compadre, sabia do volume de dinheiro público envolvido, e fez questão não só de acobertar, mas de punir quem tinha descoberto.


Carta de Paulo de Tarso Venceslau a Lula denunciando corrupção no PT 12 de novembro de 2008 no blog  BRASIL LIMPEZA-ARQUIVO(http://brasillimpeza-aqrquivo.blogspot.com.br/2008/11/carta-lula-denunciando-corrupo-no-pt.html