Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Fiéis eleitores

***
***

***

Os brasileiros começaram a se afogar naquela marolinha (não agüento mais essa palavra). Depois de um presidente irresponsável, em plena crise mundial, insuflar os "trabalhadô" a comprar, ou melhor, se endividar, a inadimplência se faz presente. Presente de grego, diga-se de passagem.

***

A maior parte das dívidas é com bancos e cartões de crédito, mas para eles o problema não é tão grande pois se aproveitam de quem ganha pouco e paga suas contas com atraso. Seus parcos salários alimentam esses urubus famintos.

***

Em sua coluna de hoje, Merval Pereira diz o seguinte: "Os muitos empregos criados nos últimos anos, do que o goveno se vangloria muito justamente, têm origem nas mesmas empresas que hoje demitem." É o desemprego e conseqüente dificuldade financeira desmentindo as gabolices palacianas.

***

Parece que, agora, Luís Inácio e seus eleitores vão se conhecer, de fato. Os desempregados cheios de dívidas vão descobrir que o Grande Pai tem tamanho bem menor do que pensavam. E nosso presiMente, que sempre acreditou em seu poder de convencimento e tapeação, vai saber que o brasileiro não o ama tanto quanto pensava. Pobre ego!

***

O amor do povo iletrado por qualquer presidente é diretamente proporcional a seu poder de compra, ainda que camuflado por frases de efeito e melhora social imaginária. Imaginária, sim, porque viver às custas de esmolas não é uma situação digna.

***

Também não vai adiantar discursar sobre a crise, nem apontar o dedo para um suposto culpado. O brasileiro lá quer saber de crise! Que se dane a crise! Eles querem é uma situação mais estável e dinheiro no bolso (mesmo que não muito, para os acomodados).

***

A vaidade de Luís Inácio vai precisar de muitas horas de análise e seus aceclas de muito calmante para suportar suas agressões nas horas de mau humor.

***

Um comentário:

Opinião dos leitores