Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos,
porque a história de nossos políticos
pode causar deficiência moral irreversível.

É a vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida pública.


quarta-feira, 27 de maio de 2009

Cê çabe cum qem tá falandu?

***
Para esta pergunta feita por um político, como aconteceu recentemente no Aeroporto em Brasília, temos a resposta: "Sei, sim. Um ignorante que se acha importante porque trocou votos por dentadura."
*********
***
A imagem do vídeo é péssima, mas o conteúdo...

video

D I V I R T A M - S E.

******

6 comentários:

  1. Eu já vi esse controle!!
    É muito bom!!
    É apenas um retrato do Brasil.

    Esse programa é MUITO BOM,mas gostaria de saber por que ontem esse programa não foi exibido.

    ResponderExcluir
  2. Marilon,

    Não costumo ver televisão, mas fiquei curiosa para acompanhar esse programa.

    Onde é apresentado? É às terças-feiras? Quem eles costumam "abordar"?

    Aceito suas dicas.

    ResponderExcluir
  3. E essas porcarias dizem que nos representam. A mim eles não representam nem um pouquinho. Pé-de-pato-mangalô-três-vezes.

    ResponderExcluir
  4. Jurema, o programa é CQC, vai ao ar Às segundas-feiras, às 22 horas, na Band. É apresentado pelo Marcelo Tás, Rafinha Bastos e Marco luque, além de mais quatro comediantes paulistas que fazem comédia standup. Viu só? Sou viciado no programa.
    Ah, e diz pro Marllon que foi ao ar ontem, sim.

    ResponderExcluir
  5. Marcos, é impressionante. Como nossas leis podem ser feitas por pessoas tão estúpidas em todos os sentidos!

    E nós, aqui, sem poder fazer nada mais concreto!

    Vai "chegar o momento", como disse o eterno sindicalista. O NOSSO MOMENTO. Quando não acreditar mais nisso, aposento meu blog e vou aprender a cozinhar.

    ResponderExcluir
  6. chiste, repassando:

    deu no correio braziliense
    Jeitinho de manter o salário

    De Izabelle Torres:

    Perder a disputa pela reeleição na Câmara não significa ficar longe da folha de pagamento do Congresso. Ex-deputados que amargaram a derrota nas urnas nas últimas votações são colocados em cargos de confiança das lideranças partidárias com os maiores salários disponíveis. Como se não bastasse, alguns conseguem até a liberação do trabalho.

    É o caso de Almir Sá, que foi deputado por Roraima de 1999 a 2002 e, em 2003, assumiu como suplente. Filiado ao PR, Sá recebeu o apoio da legenda que até o ano passado tinha seu conterrâneo Luciano Castro como líder.

    O ex-parlamentar é bem conhecido pelos funcionários da liderança, mas nenhum o viu trabalhando. O atual líder da legenda, Sandro Mabel (GO), justifica a ausência do servidor com o antigo argumento de realização de “trabalhos externos”. “Não dá para colocar uma pessoa do nível do ex-deputado sentado no gabinete. Ele fica fora, fazendo articulações para nós junto a ministérios e outras coisas”, disse.

    Visto pelos corredores da Câmara apenas duas vezes por semana, o ex-deputado Moroni Torgan (CE) integra a lista de funcionários do DEM. Com o salário de R$ 9,5 mil, o ex-parlamentar ganhou o direito a uma vida parecida com a dos tempos em que tinha um mandato. Um assessor foi designado para “acompanhá-lo”. É ele quem recebe os recados e repassa a Torgan as demandas e o resumo dos acontecimentos no Congresso enquanto o ex-deputado está no estado.

    A propósito, a frequência do ex-parlamentar na Casa é semelhante a dos atuais mandatários. Segundo relatos dos servidores da liderança do partido, o ex-deputado cumpre a agenda de congressista: chega a Brasília geralmente às quartas-feiras, circula pelas comissões e ministérios e retorna ao Ceará na quinta-feira à noite. No gabinete da liderança, passa apenas para assinar o ponto. O que, de acordo com os relatos, pode acontecer uma única vez por semana.

    A reportagem não encontrou Torgan na Câmara durante os últimos dias. Mas cumpriu o ritual dos que tentam um contato com o ex-deputado. Falou com seu assessor, Paulo Dutra, que prometeu repassar o recado quando ele chegasse à capital federal na próxima quarta-feira. De acordo com Dutra, Torgan tem muitas funções na liderança.

    Faz articulações nos ministérios e prepara propostas referentes à segurança pública para serem apresentadas pela legenda. Graças ao emprego no Legislativo e às negociações para tentar a disputa por uma vaga de deputado em 2010, o cearense licenciou-se da Polícia Federal.
    (Blog do Noblat - 01/06/09)

    ResponderExcluir

Opinião dos leitores